“É uma tragédia que isso aconteça” com Delcídio, afirma Berzoini

Em entrevista ao jornal O Globo, ministro da Secretaria de Governo diz que revelação de que líder tentava obstruir investigações causou "surpresa" e "tristeza" e que atos do senador não têm qualquer vínculo com o Planalto e o PT

O ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, classificou como uma “tragédia” a prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) e avalia que o episódio tem grande impacto para o Planalto por causa do bom trânsito que o antigo líder do governo tinha com parlamentares aliados e da oposição. Em entrevista ao jornal O Globo, Berzoini disse que a revelação de que Delcídio tentou obstruir as investigações da Operação Lava Jato causou “surpresa” e “tristeza”.

Ao ser questionado sobre a reação da presidente Dilma ao episódio, o ministro respondeu: “Da mesma forma que eu, que o Jaques (Wagner). O sentimento é assim: é uma tragédia que isso aconteça com uma pessoa que tinha um relacionamento bom na situação e na oposição”. “Ele é uma pessoa que gosta de costurar acordos, não é um líder só de enfrentar, mas também de dialogar”, disse em entrevista à repórter Catarina Alencastro.

Berzoini também manifestou preocupação com o atraso na votação da nova meta fiscal do governo, que acabou adiada desta semana para a próxima devido à prisão do petista. Para não contrariar o Tribunal de Contas da União (TCU), o Executivo deve bloquear R$ 10,7 bilhões na próxima segunda-feira (30) em despesas discricionárias.

“Nós não queremos, por exemplo, que faltem recursos para fiscalização ambiental, Polícia Federal e para os órgãos que exercem atividades de Estado e precisam continuar funcionando. Não são despesas obrigatórias, são despesas discricionárias, mas essenciais. Um contingenciamento com válvula de escape.”

O ministro ressaltou que os atos de Delcídio não têm nenhum vínculo com o governo nem com o PT. “Foi um problema que não foi provocado nem atingiu o Poder Executivo. Os fatos divulgados não são da atividade dele de líder do governo. Ele vai responder por isso, certamente vai prestar esclarecimentos, e o Poder Judiciário e o Ministério Público vão tomar as medidas que acharem corretas”, declarou.

Segundo Berzoini, o nome do novo líder do governo no Senado será discutido em reunião com lideranças da base aliada na próxima segunda-feira. O ministro disse que não há preferência por alguém do PT. O importante, afirmou, é que o sucessor de Delcídio tenha bom trânsito em todos os partidos, aliados ou oposicionistas, a exemplo do senador sul-mato-grossense.

Leia a íntegra da entrevista em O Globo

Mais sobre Delcídio do Amaral

Mais sobre economia brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!