Distritais votam hoje a suspensão do aumento das passagens

Reajuste no preço dos bilhetes de ônibus e metrô chegou a 25% já nos primeiros dias do ano. São necessários 13 votos a favor do Projeto de Decreto Legislativo para que o aumento seja revogado

 

Dez dias após entrar em vigor o reajuste de até 25% no preço das passagens de ônibus e metrô no Distrito Federal, os deputados distritais interromperam o recesso parlamentar e vão decidir se revogam ou não o aumento nesta quinta-feira (12). Dos 24 parlamentares, dois não comparecerão ao plenário porque estão viajando - Juarezão (PSB) e Cristiano Araújo (PSD). Para derrubar o decreto do governador, a Casa precisa de 13 votos.

O reajuste foi anunciado por Rodrigo Rollemberg no penúltimo dia de 2016 e entrou em vigor em 2 de janeiro. Os preços subiram de R$ 2,25 para R$ 2,50 nas linhas circulares internas; de R$ 3 para R$ 3,50 as de ligação curta; e de R$ 4 para R$ 5 nas viagens de longa distância e integração e as de metrô.

Os distritais tentaram negociar com o governador para que o aumento fosse suspenso e melhor discutido - tanto na Câmara, quanto no Buriti. Rollemberg, por sua vez, se manteve irredutível e sugeriu que os parlamentares usassem o orçamento legislativo para bancar as gratuidades do sistema de transporte público - que custaram em 2016 cerca de R$ 600 milhões.

Desde que o aumento entrou em vigor, movimentos populares protestam nas ruas de Brasília. Nesta quinta não será diferente. Além de movimentos como o Passe Livre (MPL), a manifestação deve ser inflado pela presença de sindicatos e trabalhadores.

Na sessão desta quinta-feira, os parlamentares vão deliberar sobre o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) criado por quatro parlamentares que propõe a suspensão do reajuste das passagens de ônibus e metrô, além de medidas para racionalizar o sistema - considerado insustentável atualmente devido às gratuidades.

Na avaliação dos deputados Wasny de Roure (PT), Cláudio Abrantes (Rede), Prof. Israel Batista (PV) e Raimundo Ribeiro (PPS), o governo cometeu equívocos notórios, como não ouvir o conselho de transporte e não esgotar as alternativas que existiam antes de impor o reajuste tarifário. Os deputados que compõem o Grupo de Trabalho que analisou o aumento sugerem ainda medidas para obtenção de receitas para o sistema de transporte público. No projeto, eles sugerem alternativas como a captação de recursos oriundos das multas de trânsito e a destinação do ISS e da tarifa por quilômetro rodado advindo do Uber para custear o transporte coletivo.

Caso os deputados aprovem o PDF, Rollemberg amargará a primeira derrota na Câmara Legislativa em 2017. O governo, por sua vez, já estuda alternativas jurídicas para manter o reajuste, caso ele seja revogado. Ontem (quarta, 11), o governador convocou a base para discutir o assunto, porém, com a confirmação de apenas três distritais, desmarcou o encontro.

Leia também:

Com novo reajuste, metrô de Brasília é o mais caro do Brasil

Governo contrata FGV para avaliar tranporte público no Distrito Federal


Mais sobre Brasília

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!