Dilma critica divulgação de depoimento na campanha

Para a candidata à reeleição, é “estarrecedora” a publicação de trechos das declarações de Paulo Roberto Costa. As informações prestadas pelo ex-diretor reforçaram as suspeitas de corrupção na Petrobras

Candidata à reeleição, a presidenta Dilma Rousseff questionou nesta sexta-feira (10) a divulgação de partes dos depoimentos do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef. As declarações dos dois reforçam as investigações sobre um esquema de corrupção que irrigava as contas de partidos políticos e de diretores da estatal.

"Sei que essas informações estão ainda sob sigilo e eu pedi essas informações, então eu acho muito estranho e estarrecedor que no meio da campanha eleitoral façam esse tipo de divulgação”, afirmou Dilma em coletiva de imprensa no Palácio do Alvorada. Para ela, a divulgação parcial do conteúdo do depoimento é “incorreto”. Além disso, a presidenta questionou a autoridade da Justiça Federal no caso.

Nos áudios, Paulo Roberto reforçou a informação de que o PT recebia 3% dos valores de contratos assinados pela Petrobras. Também disse que PMDB e PP eram beneficiados pelo esquema de corrupção. O valor era usado, de acordo com o depoimento, nas campanhas eleitorais dos partidos. Já Youssef informou que a base aliada de Lula trancou a pauta do Congresso por três meses até o ex-diretor ser nomeado na estatal.

Ao serem divulgados, os áudios foram inicialmente associados com o processo de delação premiada que beneficiou o doleiro e o ex-diretor da estatal. Porém, Sérgio Mouro, juiz responsável pela Operação Lava-Jato na 13ª Vara Federal, afirmou hoje que os depoimentos são relativos a outra investigação. Eles estão dentro da ação penal sobre irregularidades na construção da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco.

O conteúdo da delação premiada, que foi homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki em 30 de setembro, continua sob segredo de Justiça. Ontem, Teori negou o acesso do Ministério da Justiça e da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras aos depoimentos.

Juiz autoriza novas investigações na Petrobras

Mais sobre as eleições

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!