CPI do BNDES aprova convocação do ex-ministro Guido Mantega

Os deputados também decidiram requisitar servidores do Banco do Brasil e da Receita Federal para auxiliar os trabalhos de análise de documentos que já foram requisitados pela comissão

Deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para apurar denúncias sobre empréstimos feitos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a empresas e empreiteiras, aprovaram nesta quinta-feira (27) convite para que ex-presidentes expliquem contratos de financiamento fechados pelo banco entre os anos de 2003 a 2015. A lista inclui Eleazar de Carvalho Filho, Carlos Francisco Theodoro Macha Ribeiro de Lessa, Demian Fiocca e o ex-ministro Guido Mantega, que também esteve no comando do banco.

Os depoimentos de ex-presidentes foram acordados em uma reunião reservada da comissão relaizada há dois dias, quando o colegiado também aprovou a convocação de diretores da instituição, como José Henrique Paim Fernandes, diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente e Agropecuário; Maurício Borges Lemos, de Administração Financeira e Operações Indiretas; Roberto Zurli Machado, de Infraestrutura e Insumos Básicos; Júlio Cesar Maciel Ramundo, diretor Industrial, Capital Empreendedor e Mercado de Capitais; Fernando Marques Santos, de Recursos Humanos e Gestão do Projeto Agir e Tecnologia da Informação; João Carlos Ferraz, de Planejamento, Pesquisa e Acompanhamento Econômico e Gestão de Riscos.

Autores do requerimento que resultou na criação da CPI  do BNDES destacaram que o banco desembolsou, somente em 2012, US$ 875 milhões em operações de financiamento à exportação de bens e serviços de empresas brasileiras para Cuba e Angola e que, para as nove empreiteiras investigadas pela Lava Jato da Polícia Federal, o BNDES concedeu financiamentos de R$ 2,4 bilhões entre 2003 e 2014.

A comissão foi instalada sob disputa envolvendo o governo e a oposição na definição do comando do colegiado. O PT pleiteou a relatoria, mas o cargo acabou sendo ocupado pelo PR depois de articulações comandadas pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A presidência da CPI ficou com o deputado Marcos Rotta (PMDB-AM). O partido do governo conseguiu apenas a segunda vice-presidência da Comissão, ocupada por Carlos Zarattini, de São Paulo.

A CPI também decidiu requisitar servidores do Banco do Brasil e da Receita Federal para auxiliar os trabalhos de análise de documentos que já foram requisitados pela comissão. Os deputados também decidiram convidar Ricardo Liáo, secretário executivo do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e convocar o procurador público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Júlio Marcelo de Oliveira.

Com informações da Agência Brasil

Mais sobre o BNDES

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!