Comunidade impede caravana bolsonarista no Paraná: “Vírus da irresponsabilidade”

Umuarama é uma cidade de 110 mil habitantes na região Noroeste do Paraná. No segundo turno das eleições de 2018, 76% dos eleitores do município votaram em Jair Bolsonaro. Ainda assim, as lideranças da cidade se mobilizaram há cerca de dez dias para demover um grupo bolsonarista da ideia de organizar uma caravana até Brasília para participar de manifestações de apoio a Bolsonaro

A principal voz do movimento contrário à viagem foi a do presidente da Associação Comercial e Industrial de Umuarama, Orlando Luiz Santos. 

> Promotor pede isolamento de casal que participou de caravana para ver Bolsonaro

Em uma nota de repúdio publicada no site da instituição e nos jornais da cidade, o presidente da Associação disse que a caravana era um ato “nitidamente inconsequente” que merecia análise criteriosa do Ministério Público. 

“Em um momento em que diversas localidades projetam com zelo o pico da pandemia de covid-19 e maneiras de guarnecer a população, causam estupefação iniciativas como a surgida em Umuarama e em diversas outras cidades, como Londrina, voltadas à organização de caravanas com destino à região Centro-Oeste, a fim de engrossar o movimento '300 de Brasília', que mantém um acampamento pró-Bolsonaro na capital federal”, diz o texto.

“Espanta e assusta a configuração de uma aglomeração de raros precedentes, nitidamente inconsequente, reunindo brasileiros dos quatro cantos do território nacional e com ápice previsto para o próximo domingo (17). Tanto pela alta probabilidade de transmissão do temido vírus, quanto pelos hábitos que os manifestantes fazem questão de realçar, aparecendo diariamente na mídia desprovidos de máscara e contrariando outras recomendações das autoridades de saúde”, prossegue. 

A nota repercutiu e outras lideranças passaram a cobrar responsabilidade do grupo e o organizador da viagem, Tiaraju Becker, cancelou a caravana e publicou uma nota de retratação. 

“Respeitando meus amigos, familiares e pessoas que entraram em contato comigo, eu não irei mais para esta viagem em apoio ao governo atual, saliento também que eu não estava organizando esta viagem, sou um web design e na intenção de contribuir para que o Brasil continue seguindo sempre com ordem e progresso, fiz essa arte e deixei meu telefone para informações. Vale lembrar que somos pessoas de bem e queremos uma Umuarama e um Brasil melhor e continuaremos lutando por isso, pois creio que com união a diferença acontece”, informou. 

Umuarama atualmente tem 27 casos confirmados de covid-19 e uma morte em decorrência da doença.

> Bolsonaristas ameaçam jornalistas: “Tá trabalhando por que? Lixo!”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!