Com ausência de Cachoeira, procuradores poderão depor

Com a liminar concedida ao bicheiro, CPI tentará antecipar depoimento dos procuradores envolvidos com as investigações. O restante do cronograma proposto pelo relator, Odair Cunha, porém, está mantido

O relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), garantiu nesta segunda-feira (14) à noite a manutenção do cronograma aprovado no início do mês. Com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello de liberar o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, do depoimento previsto para amanhã (15) na comissão, a ideia agora é tentar antecipar os depoimentos dos procuradores envolvidos nas investigações. Ainda não há nova data para o depoimento de Cachoeira.

CPI vai ouvir Cachoeira no dia 15 de maio
Leia tudo sobre o Caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Na sexta-feira (11), o advogado do bicheiro, o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, entrou no STF com o pedido de habeas corpus. Ele queria que a oitiva fosse adiada até a defesa ter acesso completo aos documentos sigilosos da comissão. A intenção era “avaliar as provas que porventura ele pretenda apresentar, de forma a lhe assegurar o contraditório e a ampla defesa”.

Para o ministro relator, a CPMI não pode restringir o direito de Cachoeira ter acesso às informações sigilosas. Odair Cunha, no entanto, não entende desta maneira. O petista informou que a defesa do bicheiro já teve acesso a todo o material pela Justiça. "Não há nenhum material novo que a defesa não tenha tido acesso. Em nenhum momento houve cerceamento do direito de defesa", disse.

STF libera Cachoeira de comparecer à CPI

Uma alternativa para amanhã é a antecipar a oitiva com os procuradores do Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) Daniel de Rezende Salgado e Lea Batista de Oliveira, responsáveis pela Operação Monte Carlo. Inicialmente previstos para a última quinta-feira (10), os depoimentos acabaram adiados pelas mais de oito horas de sessão com o delegado federal Matheus Mella Rodrigues.

Depoimentos de procuradores são adiados para o dia 17

Cunha e o presidente da CPMI, senador Vital do Rego (PMDB-PB), estão em contato com os procuradores da República. Lotados em Goiânia, existe a expectativa de que o depoimento ocorra amanhã. Caso isso não aconteça, a comissão terá uma sessão administrativa com votação de requerimentos. Entre os pedidos, está o da convocação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!