Cardozo nega saída do governo: ‘Não esperem que eu diga não investigue A, B, C ou D’

Alvo de críticas, ministro da Justiça diz que tem "total confiança" no ex-presidente e que age com isenção à frente da pasta. “Enquanto a presidente quiser e eu achar que não atrapalho, eu fico”, afirma em entrevista ao Valor Econômico

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que, apesar das críticas que vem sofrendo por parte de membros da base aliada, do PT e da oposição, mantém a “consciência tranquila” ao chefiar a pasta que comanda a Polícia Federal. O ministro defende sua gestão e afirma que atua com isenção. "Não esperem de mim que eu diga não investiguem A, B C ou D. Um ministro da Justiça não pode conduzir investigações, seja para punir amigos ou inimigos", avisa.

 

Nos últimos dias a situação de Cardozo ficou ainda mais delicada após a Polícia Federal cumprir mandados de busca e apreensão na empresa do um dos filhos do ex-presidente Lula, Luís Cláudio Lula da Silva, investigado na Operação Zelotes. O ministro defende o antecessor de Dilma. "Conheço Lula há muitos anos e tenho a total confiança de que ele não se envolveu nem permitiria que alguém próximo dele se envolvesse em desmandos", declarou. Segundo informações de bastidor, a ação dos policiais estremeceu a relação entre Cardozo e Dilma, sua principal aliada, e Lula.

Porém, antes mesmo desta última ação da PF, o ministro já vinha sendo criticado em decorrência dos desdobramentos da Operação Lava Jato, que motivaram inquéritos e denúncias contra ministros, lideranças do PT e de siglas da base aliada.

Em meio à crise política que coloca em dúvida sua permanência no governo federal, o ministro afirmou que continua no cargo. “Enquanto a presidente quiser e eu achar que não atrapalho, eu fico”, disse. Um dos nomes cotados para assumir o lugar de Cardozo é o deputado Wadih Damous (PT-RJ), ex-presidente da OAB-RJ e autor de uma das liminares obtidas no Supremo para suspender o rito do impeachment na Câmara dos Deputados.

Lula é um dos principais críticos da permanência de Cardozo, e mais de uma vez o ex-presidente sugeriu a Dilma que o substituísse, alegando que o ministro não tinha controle sobre a instituição. A própria indicação de Wadih para assumir a pasta é atribuída ao ex-presidente.

Leia a íntegra da entrevista no Valor Econômico

Mais sobre crise na base

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!