Cachoeira é amigo e parceiro de Marconi, diz Odair

Em relatório preliminar na CPI, deputado menciona negociação de Cachoeira para construir heliporto como parceria público-privada. Empresários e bicheiro ficam em silêncio

O relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), afirmou em seu relatório divulgado nesta semana que o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), “tem em Carlinhos Cachoeira um amigo e parceiro do governo do Estado de Goiás”. A afirmação se dá em meio a grampos que tentam comprovar essa relação. Logo após a assertiva, Odair relata o episódio da negociação da parceria público-privada para construção de um heliporto em Goiânia.

Cachoeira queria heliporto em parceria com Marconi

Odair passa a mencionar um diálogo entre o bicheiro e o coronel da Polícia Militar Massatoshi Katayama. Na conversa, Cahoeira diz que Marconi já deu o ‘ok’. “Isto é isto é, já liberou para executarem”, interpreta o relator da CPI.

“Katayama é parceiro e cúmplice do Carlinhos em suas atividades ligadas ao jogo ilegal (...) e assim está facilitando ao contraventor a utilização de área pública para atender um projeto”, analisa Odair.

Em nota, o governador de Goiás disse que o relatório do petista é frágil e que ele agiu com “espírito de vingança”, porque, em 2005, Marconi contou ter avisado o então presidente Lula sobre a existência do mensalão – compra de apoio político na Câmara dos Deputados. O tucano disse que o relatório não trouxe “nada de novo” e não provou “nenhuma das sandices ditas” por Odair em oito meses.

Marconi acusa Odair de poupar Dnit para não comprometer PT

Nada a declarar

Por meio de sua secretária no laboratório Teuto, o empresário Walterci de Melo disse ao Congresso em Foco que não comentaria a construção do heliporto. “Não tenho nada a declarar sobre isso.”

Na noite de quinta-feira (21), a reportagem enviou perguntas por escrito para assessores e advogados de Marcelo Limírio, mas eles disseram não ter conseguido falar com o empresário até ontem. O dono da Neoquímica está em viagem a Varsóvia, na Polônia. O advogado dele, Djalma Rezende, prometeu prestar os esclarecimentos a partir desta sexta-feira (23).

O site mandou também mandou perguntas por escrito ao advogado de Cachoeira na quinta-feira (21) à noite. Mas Nabor Bulhões afirmou ontem que não pôde analisar o caso e que não poderia prestar esclarecimentos. Ele disse que o bicheiro não está concedendo entrevistas.
Cachoeira queria heliporto em parceria com Marconi

Tudo sobre o caso Cachoeira

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!