Bancada evangélica diz não “barganhar cargos” e mantém apoio a Bolsonaro

A Frente Parlamentar Evangélica (FPE) divulgou uma nota nesta quinta-feira (29) em que repudia “qualquer tentativa de desestabilização do apoio” do grupo ao governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

O documento é assinado por um dos líderes da bancada, o deputado Takayama (PSC-PR) e foi divulgado após o anúncio do deputado Osmar Terra (MDB-RS) como futuro ministro da Cidadania nesta quarta (28).

Leia a íntegra da carta

Os evangélicos teriam indicado três nomes a Bolsonaro para ocupar a pasta. Osmar Terra não estava entre os citados e não faz parte da bancada.

Outro líder da FPE, o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) disse ao Congresso em Foco que a escolha do emedebista gerou mal estar e que Bolsonaro teria que “se explicar”.

Porém, por meio da nota divulgada nesta quinta-feira (29), a FPE diz que não estão barganhando cargos. “Muito embora entendamos que a composição de um quadro técnico e preparado auxiliará na nova forma de governar, neste sentido estamos unidos e atentos às escolhas do Presidente”, diz Takayama no texto.

A bancada afirma que apenas indicaram nomes de possíveis ministros, sem “o intuito de obrigar o Presidente a nomeá-los”. A nota diz ainda que a bancada não irá “ameaçar” o futuro governo se não for atendida com cargos.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!