André Vargas diz que quer depor e reclama direito de defesa

Relator do caso, Júlio Delgado acusa André Vargas de "procrastinar" andamento do processo. Conselho de Ética marcou para a tarde de hoje a apresentação, discussão e votação de parecer

Em sua conta no Twitter, o deputado federal André Vargas (sem partido/ ex-PT-PR) afirmou nesta terça-feira (5) que quer ser ouvido pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, onde ele responde a um processo por suposto envolvimento com o doleiro Alberto Youssef em negócios ilícitos.

Na semana passada, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), relator do caso, anunciou o encerramento da fase de instrução do processo.

Vargas tinha sido convidado a prestar depoimento na última terça-feira (29), mas não compareceu sob o argumento de “cerceamento do direito de defesa”. Testemunhas de defesa que seriam ouvidas naquele dia também não compareceram, alegando problemas de agenda.

O ex-petista vem sendo acusado por Delgado "procrastinar" o andamento do processo, que pode culminar na perda do mandato.

"Quero depor no Conselho de Ética com quórum e após a oitivas das testemunhas que informaram ao conselho poderem comparecer hoje. Leio na imprensa desde o fim de semana partes do relatório do Julio Delgado e sem me convocar diz que quer me ouvir. Onde o direito defesa?", escreveu Vargas, no Twitter.

O conselho marcou para a tarde de hoje a apresentação, discussão e votação do parecer do processo contra André Vargas. De acordo com Júlio Delgado, Vargas tem o direito de depor em qualquer momento até a votação.

Alberto Yousseff foi preso na Operação Lava Jato, deflagrada em março último pela Polícia Federal para desbaratar esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões.

 

Mais sobre Petrobras

Mais sobre a Operação Lava Jato

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!