Governo adia privatizações e admite que não haverá mais negociações em 2020

O secretário de e Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse em entrevista coletiva nesta quarta-feira (22) que o governo não vai cumprir a meta de privatizações para 2020.

“Tenho afirmado que este ano nós acreditamos que não haverá possibilidade de venda de ativos, porque o preço dos ativos está muito depreciado e não se justifica que façamos venda com o mercado tão baixo como está neste momento”, afirmou o secretário.

>Não dá para votar agora privatização da Eletrobras, diz Pedro Paulo

Mattar relatou um clima de paralisação no planejamento das privatizações para 2020. Até este mês foram arrecadados R$ 23,5 bilhões com desinvestimentos.

“Neste ano, a nossa meta ambiciosa era de R$ 150 bilhões e vocês viram que depois de fevereiro não houve nenhum desinvestimento, não há clima para venda de ativos. Tudo foi paralisado. A nossa meta de 2020 de R$ 150 bilhões e redução de 300 ativos não será cumprida”.

O Ministério da Economia também divulgou nesta quarta um documento com o planejamento de privatizações para depois da pandemia da covid-19.

Antes prevista para outubro deste ano, a meta de privatização da Eletrobras passou para o segundo trimestre de 2021. Correios, Telebras e EBC ficaram todas para o ano de 2022, sem mês definido. A privatização do Correio estava prevista para dezembro de 2021, a da Telebras para julho de 2021 e a da EBC para janeiro de 2022.

>Privatização da Eletrobras opõe Maia e Alcolumbre e enfrenta resistência no Congresso

> As últimas notícias da pandemia de covid-19

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!