Ex-procurador da Lava Jato compara Bolsonaro a estelionatário e fala em chavismo

Para o ex-procurador da força-tarefa da Lava Jato, Carlos Fernando Lima, o presidente Jair Bolsonaro nunca teve compromisso de combate à corrupção.  Segundo ele, o chefe do Executivo não traiu o que prometeu, "porque o estelionatário não trai aquilo que ele promete, ele engana desde o começo". Em entrevista exclusiva ao Congresso em Foco, Carlos Lima disse que não dá para apoiar o governo Bolsonaro e se dizer favorável ao combate à corrupção.

Para Carlos Fernando, o presidente da República aplica no Brasil estratégias do ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez. "Eu me preocupo muito com o aparelhamento das polícias e do Exército para o pensamento bolsonarista. Porque isso é de certa forma muito próximo do chavismo, do controle dos poderes armados e de utilização desses poderes para a manutenção no poder. Isso me preocupa bastante. Tenho preocupação em relação à democracia com o governo de Jair Bolsonaro", disse.

> Aras é um serviçal do sistema político, diz ex-procurador da Lava Jato

Veja a entrevista com Carlos Fernando Lima.

Congresso em Foco - O governo Bolsonaro foi eleito com o discurso de combate à corrupção, o fim do toma lá, da cá, da velha política e tudo mais. E o que muitos apontam é o desmantelamento da Polícia Federal, do MPF e acordos com o centrão. O senhor acredita que Bolsonaro traiu a população brasileira?

Carlos Fernando Lima: Eu acho que ele não traiu o que ele prometeu, porque o estelionatário não trai aquilo que ele promete, ele engana desde o começo. Bolsonaro enganou a respeito de uma política, de uma forma de ver o estado, o princípio de eficiência administrativa, de uma economia liberal, do combate à corrupção, esse tripé nunca existiu na verdade.

Bolsonaro representava a velha política no seu aspecto menor, do baixo clero, das rachadinhas. Esse candidato enganou muitas pessoas e infelizmente nosso sistema de dois turnos acaba privilegiando esse tipo de voto útil que no final das contas aconteceu e acabou o elegendo.

Congresso em Foco - É possível se dizer favorável ao governo e ao mesmo tempo ser defensor da Lava Jato e do combate à corrupção?

Carlos Fernando Lima: Eu não acredito, porque esse governo não tem pauta alguma de combate à corrupção. É o contrário, ele está em um programa sério de controle e aparelhamento das instituições públicas. Eu me preocupo muito com o aparelhamento das polícias, do Exército para o pensamento bolsonarista. Porque isso é de certa forma muito próximo do chavismo, do controle dos poderes armados e de utilização desses poderes para a manutenção no poder. Isso me preocupa bastante. Tenho preocupação em relação à democracia com o governo de Jair Bolsonaro. Eu me preocupo porque nesse governo eu não vejo nenhuma possibilidade de apoiar a Lava Jato e o combate à corrupção com o apoio a Jair Bolsonaro.

Congresso em Foco - Está acontecendo no Brasil o mesmo que aconteceu com a Mãos Limpas, operação que investigou esquemas de corrupção na Itália e acabou com o cerceamento do combate à corrupção e liberdade aos corruptos?

Carlos Fernando Lima: Eu creio que sim e creio que é inevitável. Dois dos maiores conhecedores da operação Mãos Limpas são, justamente, Sergio Moro e Deltan Dallagnol. Deltan sempre tentou evitar que o destino da operação Mãos Limpas acontecesse aqui no Brasil. Eu, até porque tenho uma formação diferente, uma formação mais histórica, sempre achei que é inevitável evitar a reação [do sistema político].

O povo no Brasil, assim como na Itália, ele é chamado para se manifestar só durante as eleições. Na verdade nós temos uma grande oligarquia, não é uma aristocracia, é uma oligarquia que governa esse país entre as eleições e essa oligarquia consegue através de mecanismos espúrios, de dinheiro ilícito para se manter. Porque ela em maior capacidade eleitoral, mais dinheiro para gastar, para dominar partidos e para fazer campanha.

É impossível ter sucesso em uma investigação como a Lava Jato ou as Mãos Limpas, porque o sistema sempre vai reagir. Ele tem pessoas dentro do Judiciário, ele tem pessoas dentro até mesmo do Ministério Público, dentro do Congresso Nacional. Ele tem pessoas em todo esse sistema, ele domina esse sistema através de inúmeras nomeações de segundo, terceiro e quarto escalão.

Congresso em Foco - É possível mudar esse cenário?

Carlos Fernando Lima: Essa é uma mudança em que você tem passos para frente e passos para trás, é algo inevitável. Se houver a recondução de Maia na Câmara, com a mudança na presidência do STF, o movimento anti-corrupção vai começar a ganhar força novamente.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!