Congresso em Foco

O poder dado às agências de checagem e os riscos à liberdade de expressão

15.08.2018 11:53 2
Atualizado em 06.12.2018 15:38

Publicidade

2 respostas para “O poder dado às agências de checagem e os riscos à liberdade de expressão”

  1. Felipe disse:

    Quem tem que checar a verdade é o eleitor, e este tem o direito de expressar o que acha que é verdade, e não uma agência que se denomina “detentora da verdade”.
    Afinal, quem checará os checadores?
    Se existe, mesmo que ínfima, a possibilidade de haver erros, este motivo por si só já é o suficiente pra que a sociedade não se escore neste tipo de organização, que visa “rotular” a quantidade de verdade escrita pelas pessoas, como se um ser divino o fosse.

  2. Grilo Dúvida disse:

    Discordo que a checagem de fatos vá contra a liberdade de expressão. Todos poderão continuar exprimindo opiniões e publicando fatos, com o mesmo alcance de sempre. A única coisa que será “cerceada” é o “direito” de mentir – que, de resto, é nocivo, e deve ser limitado mesmo.

    Sobre os pontos levantados:
    1. Há checagens em boa quantidade sobre a vasta maioria dos candidatos, partidos e correntes políticas. Positivas e negativas em ambos os casos. Não é uma escolha arbitrária, ou deliberada para um lado qualquer.
    2. As falhas são raras e podem ser corrigidas. Invariavelmente, as agências consultam o checado para informar as fontes de informação. E elas postam erratas nestas situações. Casos como o do crucifixo são exceções. Concordo que os procedimentos devem ser corrigidos pra evitar estas falhas a todo custo, mas de jeito nenhum estas invalidam a checagem como um todo.
    3. Transparência é muito bem vinda, claro. Mas, da mesma forma, a falta dela não invalida o processo. É um daqueles pontos que podem transformar a checagem de boa em ótima, não de nociva para boa.
    A expressão fica mais livre, e não menos, quando as pessoas estão menos expostas a manipulações. A checagem vem nos ajudar nisso. Não vamos carimbar a visão da checagem de fatos como problemática por problemas pontuais que podem ser sanados. Combater as notícias falsas é uma urgência.
    Abraços!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via