Congresso em Foco

Supremo Tribunal Federal [fotografo]Dorivan Marinho/STF[/fotografo]

Violar a presunção de inocência é golpear a classe trabalhadora e a democracia

17.10.2019 12:29 14

Publicidade

14 respostas para “Violar a presunção de inocência é golpear a classe trabalhadora e a democracia”

  1. Felix disse:

    Com um trânsito em julgado durando anos e não raramente décadas, não existe de fato Justiça. Prisão após condenação em segunda instância sim!

    • RODRIGO disse:

      A prisão em 2 ª instância é ridícula e afrontadora à Constituição Federal na cláusula pétrea referente ao art. 5º, inciso LVII, da Constituição Federal!! E em relação ao artigo 482 no qual é justificada a demissão do trabalhador condenado criminalmente é afronta ao direito de ressocialização e reabilitação penal, um grande absurdo aos direitos humanos de quaisquer cidadãos!! Tomara que prevaleça o bom-senso dos juízes do STF em derrubar a obrigatoriedade da prisão em 2 ª instância, os mais penalizados são os pobres deste país sem poder usufruir da presunção de inocência do processo criminal em juízo!!

      • Felix disse:

        Discordo plenamente. O trânsito em julgado só beneficia políticos e os colarinho branco, que nunca são julgados porque a ‘justiça‘ tarda e falha. E beneficia os advogados que vivem deles como parasitas. É uma vergonha! E você ainda tem coragem de falar em direitos humanos!

        • RODRIGO disse:

          A imprensa deturpara os direitos humanos, no qual beneficia somente bandidos, o que não é verdade, no entanto, as ONGs de direitos humanos entre outras devem fazer mea culpa!! No tocante às prisões de 2 ª instância, Portugal, França e Itália permitem apenas o cumprimento penal após o trânsito em julgado!! Não vejo nenhuma reclamação fortíssima dos brasileiros sobre tal assunto, vejo que desejam bastante morar nestes países desenvolvidos; qual a impunidade denotada?? Agradeço pela sua opinião sem xingar-me de bandido, corrupto e tudo considerado imprestável, sempre os cidadãos terão opiniões diferentes que seja, mesmo sendo taxada de polêmica e absurdo!!

          • Felix disse:

            Onde o trânsito em julgado dura anos, ou até décadas, não há JUSTIÇA nem direitos humanos, simples assim. Aliás, o sentimento geral é que no Brasil não há JUSTIÇA.

          • RODRIGO disse:

            Mas, Itália, França e Portugal cumprimento penal é apenas após o trânsito em julgado!! A sua querida senadora Soraya Thronicke defendeu que o Marcelo Álvaro Antônio recorra até o trânsito em julgado!! Com os outros defende que cumpra pena a partir da 2 ª instância!!! Cadê a coerência dela, hein?!?

          • Felix disse:

            Quando o trânsito em julgado demorar anos ou até décadas é claro que inexiste justiça. A condenação em segunda instância foi colocada justamente para evitar que os colarinho branco e os políticos ficassem processando ad infinitum sem nunca serem punidos. Prisão em Segunda Instância é exatamente um caso de JUSTIÇA e em favor dos direitos humanos!
            Para ter justiça de verdade e de fato tem que existir celeridade, coisa que não temos hoje nem vislumbramos para algum futuro próximo. Ruim também é que os legisladores costumam legislar quase que exclusivamente em benefício próprio, em detrimento da justiça. Os advogados adoram o trânsito em julgado porque significa dinheiro nas suas contas.

          • RODRIGO disse:

            E a tal condenação em 2 instância será derrubada em respeito pela Constituição Federal!! O placar poderá ser convincente, 7:4 aposto! A França, Itália e Portugal é somente após trânsito em julgado, não vejo quaisquer reclamações sobre estes países adotarem este tal sistema jurídico!!

          • Felix disse:

            Talvez seja que por lá a justiça anda. Aqui o trânsito em julgado demora anos, até décadas e isso não pode ser chamado de justiça porque NÃO É JUSTIÇA. O placar no STF pode ser o que quiser, nessa terceira ou quarta tentativa, mas JUSTIÇA não é com eles! Só levam essa ‘corte’ à sério aqueles que querem escapar da punição. Todo mundo sabe disso, inclusive você. Não temos justiça no Brasil esse é o fato, a não ser para o ladrão de galinha.

          • RODRIGO disse:

            No tocante à justiça justa, deve haver mudanças primordiais, como a redução de recursos processuais–aqui temos 30, segundo levantamento dos juristas!!, redução ou abolição do uso de papel para cumprir mandados de prisões temporárias/preventivas/civis(pensão alimentícia), boletins de ocorrências, TCOs e audiências, investimentos de concursos públicos para juízes, promotores, defensores públicos, procuradores e oficiais de justiça, reformulação dos TRFs e TJs, colocando no mínimo 7 desembargadores para julgar casos com mais imparcialidade, aumentar o número do tribunal do júri, que é 7 para 12 e adotar o juiz de garantia além do juiz padrão!! A prisão deve ser em trânsito em julgado e ponto final!! Cláusula pétrea é sagrada demais para ser atropelada à toa, pois os mais pobres são maiores sofredores sem poder a quem recorrer contra injustiças!!

          • Felix disse:

            Bom, espero que este seja o meu último comentário a respeito porque você tem o seu ponto de vista que aparentemente não muda, e eu o meu que tampouco mudo. As mudanças propostas por você são bem interessantes. Deveria ter inclusive um tempo máximo para um processo ser julgado em última instância. Mas, enquanto isso tudo não acontece continuo considerando o sagrado trânsito em julgado uma balela existente unicamente para beneficiar os colarinho branco e os políticos. Não tem nada a ver com os mais pobres, antes pelo contrário! Eles não tem recursos para ficar processando, e suas demandas muitas vezes são urgentes e não comportam a vergonhosa espera e lentidão da ‘tal’ justiça.

          • RODRIGO disse:

            Referente aos pobres de não poder recorrer, supostamente, deve haver pesados investimentos em defensorias públicas neste país para democratizar os recursos jurídicos cabíveis e assim evitar erros e vícios processuais, pois há tantos inocentes presos, sendo confirmadas as penas em 1 ª e 2 ª instâncias sem poder recorrer ao menos no STJ pela equivocada resolução aprovada por maioria em 2016!!

  2. RAFAEL disse:

    A boa e velha LUTA DE CLASSES… Agora entendo o motivo de um certo portal mandar e-mails pedindo ajuda financeira pra continuar no ar… ahhahahahahah

    • RODRIGO disse:

      Fim das prisões em 2 ª instância JÁ!! Ninguém pode realizar desarmonias contra tal julgamento, no qual, supostamente, prevalecerá a verdade, doa a quem doer, mas, prisão somente esgotados todos os recursos é sagrado à Constituição Federal e verdadeiro, mesmo que haja críticas e ameaças, o respeito constitucional será restabelecido!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via