Congresso em Foco

[fotografo]Guilherme Mendes[/fotografo]

Impeachment não é pauta de campanha para presidência, diz Arthur Lira

18.01.2021 13:12 26

26 respostas para “Impeachment não é pauta de campanha para presidência, diz Arthur Lira”

  1. Zapata disse:

    A questão do impeachment é muito mais complicada que a discussão de viés político de candidato A ou B. Na prática Lira, Baleia Rossi, Maia, Pacheco, capitão fardinha etc, todos têm objetivos convergentes em determinados aspectos. Ou seja, tirando o explicito “rabo preso” de Lira, em muito pouca coisa eles diferem entre si.

    Entretanto, é fundamental frisar que todo processo de impeachment tem impactos internacionais e expõe certa fragilidade da estabilidade política da nação em questão. Assim, por si só a abertura de um novo processo de interpelação já acarretaria um abalo significativo da credibilidade nacional perante não apenas os investidores externos, mas da comunidade internacional como um todo. Afinal, apesar de urgente como nunca antes visto, um novo processo de impeachment, embora agora legítimo, exporia ao mundo as finas estruturas de um Brasil de faz de conta.

    É importante lembrar que o processo de impeachment de 2015 teve no seu cerne, dentre outras questões, o “acordo com o supremo com tudo, pra botar o Michel (Temer) e parar a sangria”, foi uma estratégia política de atuação das questões políticas para devolver o controle político para a “velha política”.

    Porém, “a vida é uma caixinha de surpresas” e quem diria que o menino de ouro para a consagração da jogada em 2018, o sr Aécio “Coca” Neves, o derrotado nas eleição de 2014, seria pego com o nariz empoeirado? Enfim, atolado em seu heliccoca, todos os “esforços” ficaram a deriva sem um rosto que representasse o “gigante amarelo” a curto prazo, tinhamos aqui o caminho aberto para o esquecido “poucas trancas”, vulgo Bolsonaro, ocupar o amor vago por todo o antipetismo intensamente construído pela mídia formal, ao longo dos anos ( ah, é engraçado ver que hoje a mesma mídia é a inimiga mortal deste “embuste).

    • Deyvisson F. R. Almeida disse:

      Sinceramente, mais impactos internacionais do que estamos vivendo, dificil. É possivel que em impeachment talvez nossos indicadores até melhorem.

  2. Jorge Teixeira Carneiro disse:

    Tem razão, ”cumpanheiro Sapata”.
    É muito complexa essa situação.
    Se o para-lamento tem 550 deputados e a ”oposição” só tem 119 deputados, a matemática não deixa o ‘impiximant” do Bozo ser aprovado.

  3. Zapata disse:

    A questão do impeachment é muito mais complicada que a discussão de viés político de candidato A ou B. Na prática Lira, Baleia Rossi, Maia, Pacheco, capitão fardinha etc, todos têm objetivos convergentes em determinados aspectos. Ou seja, tirando o explicito “rabo preso” de Lira, em muito pouca coisa eles diferem entre si.

    Entretanto, é fundamental frisar que todo processo de impeachment tem impactos internacionais e expõe certa fragilidade da estabilidade política da nação em questão. Assim, por si só a abertura de um novo processo de interpelação já acarretaria um abalo significativo da credibilidade nacional perante não apenas os investidores externos, mas da comunidade internacional como um todo. Afinal, apesar de urgente como nunca antes visto, um novo processo de impeachment, embora agora legítimo, exporia ao mundo as finas estruturas de um Brasil de faz de conta.

    É importante lembrar que o processo de impeachment de 2015 teve no seu cerne, dentre outras questões, o “acordo com o supremo com tudo, pra botar o Michel (Temer) e parar a sangria”, foi uma estratégia política de atuação das questões políticas para devolver o controle político para a “velha política”.

    Porém, “a vida é uma caixinha de surpresas” e quem diria que o menino de ouro para a consagração da jogada em 2018, o sr Aécio “Coca” Neves, o derrotado nas eleição de 2014, seria pego com o nariz empoeirado? Enfim, atolado em seu heliccoca, todos os “esforços” ficaram a deriva sem um rosto que representasse o “gigante amarelo” a curto prazo, tinhamos aqui o caminho aberto para o esquecido “poucas trancas”, vulgo Bolsonaro, ocupar o amor vago por todo o antipetismo intensamente construído pela mídia formal, ao longo dos anos ( ah, é engraçado ver que hoje a mesma mídia é a inimiga mortal deste “estrupício” kkk)

  4. lucas dean disse:

    excelente o comentario do nosso futuro presidente da camara…não de deve pautar o impeachment por besteiras da oposição…deveria ser por corrupçao direta..que nosso nosso presidente não é.

  5. Lopes disse:

    Um processo de impeachment não é sumário. O que tirou Dilma da presidência iniciou-se com a aceitação do pedido, em 2 de dezembro de 2015, e se encerrou no dia 31 de agosto de 2016. Portanto, teve a duração de 273 dias. Se o pedido de impeachment de Bolsonaro for aceito nesta segunda-feira dia 18 de janeiro de 2021 e durar o mesmo tempo que durou o de Dilma, Bolsonaro sairá do governo em 18/10/2021. Como é pouco provável que a aceitação se dê em 18/01/2021, cada período após, deve ser somado. Ou seja, se o sistema representado pela esquerda derrotada quer derrubar este governo mais rápido, deverá contar com as artimanhas de um golpe. Neste caso, terão que enfrentar a fúria das ruas. O resto é torcida minguada.

    • lucas dean disse:

      SE FOSSE PAUTADO NAO SERIA ACEITO…POIS NAO EXISTE CRIMES.

      • Zapata disse:

        Inocente aquele que crê que impeachment’s são levados a cabo por crimes. O buraco é mais embaixo, rapaz…

        • Jorge Teixeira Carneiro disse:

          São levados a cabo pelo Centrão.
          Foi o Centrão que derrubou o Collor e foi o Centrão que derrubou a Dilma.
          O Collor queria roubar sozinho sem o Partido do Tolisses Guimarães junto e a Dilma não quis criar mais uns 15 ministérios para o Centrão ocupar.
          Tipo Ministério das Relações Interiores, Ministério da Caça, Ministério do Aterramento e da Terraplenagem, Ministério do Racional Superior, Ministério do Centro da Terra e etc.

  6. betombr disse:

    Á evidência, Lira vai fazer todas as vontades do candidato a ditador. Por isso não deve pautar o impeachment dele. A ex-mulher de Lira disse que ele é corrupto e que a agrediu diversas vezes! Centrão se vendendo para Bolsonaro afundar ainda mais o Brasil! Vamos todos anotar os nomes desses parlamentares e vamos lembrar do que fizeram ao país nas próximas eleições!

  7. Iboroá Toledo disse:

    Segundo dados do Ministério da Saúde, do início da Pandemia até saída do ministro Mandeta – 30.425 casos e 1.924 mortos; com Ministro Teich saindo no dia 14/05/2020 eram 201.366 casos e 14.817 mortes; com General Pazuello, até o início da Vacinação eram 8.488.099 casos e 209.847 mortes. São fatos incontestáveis para demissão do general e renúncia do presidente.

  8. Zamtonsky Mun disse:

    Lyra é a alma gemea do miliciano assassino. É o tipo do cara que vai trancar a pauta e nao fazer nada! Atenção congresso!

  9. vladimir santiago disse:

    Ele não tirou vantagem de armazenar primeiro, ele produziu, originalmente era dono de tudo. Esta é a diferença. Se dependesse do Bozo ainda estaríamos ouvindo ele nos mandar tomar cloroquina e ozônio no rabo.

    • Alessandro Bongiovani Tonelli disse:

      Do Ozônio você gostou, vai…!!! Eu sou alérgico a qualqer coisa por essa via… qualquer coisa meisxmo…

    • Jorge Teixeira Carneiro disse:

      A vacina já veio pronta da China.
      Pagou, chinês entregou.
      Tem só que ver quem foi que pagou.
      É só ver o nome no recibo.

    • Jorge Teixeira Carneiro disse:

      O pior, ”cumpanhero”, é ainda a gente saber que médicos do SUS estão indicando Ivermectina e Azitromicina junto com Aspírina para pessoas que pegam Covid.
      Eu conheço um monte de gente que foi obrigada a tomar isso pelos médicos do SUS.
      E pasmem, ficaram bons do Covid!
      Isso é o poder da autossugestão típico das ditaduras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via