Bolsonaro recomenda livro de Ustra, coronel condenado por tortura, a estudante e professora

Publicidade
Carlos Alberto Brilhante Ustraditadura militardoi-codiJair BolsonaroONU
Comentários (13)
Comentar
  • Fernando Luis

    Cruz credo! O cara defende torturador? O que fizemos para viver com esse horror? E o pior, são mais de três anos de trevas.

  • Sebastião L Machado

    Algo grave deve estar ocorrendo nas agendas e viagens de ministros sem agenda enquanto o presidente distrai a platéia com declarações estapafúrdias. Suas aparições são fumaça que irritam os olhos e obscurecem a visão.

  • RONI CARDOSO

    Bolsonaro, aproveita e recomenda a leitura do livro do São Cipriano. kkkkk

  • antónio

    O presidente da república do Brasil recomenda o livro de um TORTURADOR condenado pela justiça.

    Isto é mesmo típico de qualquer país sul-americano há 40 anos a viver ditatorialmente.

    Parabéns a Bolsonaro e família. Vai ficar na história do Brasil como seu PIOR presidente.

    • Bruno Martins

      Ustra não foi condenado, imbecil!

      • antónio

        E porque não cretino? Não devia ser? Afinal mandou torturar e fê-lo também pessoalmente.

        Tu também deves gostar, já que tanto o defendes.

      • Fernando Luis

        Tenha vergonha na cara, cabron. Defendendo torturador? A tua ideia é de jerico.

    • ALMANAKUT BRASIL

      Você andava com BANDIDOS, guerrilheiros, terroristas e PEÇONHENTOS naquela época?

      Aquela raça maldita só sobreviveu e voltou para saquear o país, porque aqueles militares não fizeram como os DITADORES comunistas, não fuzilando seus opositores no paredão.

      E deu no que deu!

      Mas, dá tempo de consertar e fazer a tão esperada FAXINA GERAL, já que a fila para carrascos voluntários irá do Oiapoque ao Chuí.

      https://uploads.disquscdn.com/images/08ea07c3751f56455b3e7ba82963187cbb73d71e74df14a2f89f969a67c545a9.jpg

  • Valdir

    Eu acrescentaria também a recomendação da leitura do livro “ORVIL”, que infelizmente hoje só se encontra em PDF. A editora deveria reeditar o livro. Nossos jovens têm o direito de tomar conhecimento dos fatos relatados pelos dois lados, “vencedores” e “vencidos”, e tirarem suas próprias conclusões.
    Na UFF isso é muito claro. Os professores de ideologias à esquerda mostram completo desconhecimento das literaturas de ideologias mais à direita. Vivem fechados apenas nas teorias comunistas. Isso não é “chute” de minha parte, mas é vivência interna na UFF.

  • Daniel Araujo

    Ler material contrário às próprias convicções é uma questão de bom senso de qualquer um interessado na busca da verdade e não na apenas no conforto da auto-confirmação.
    Não precisa concordar mas é necessário honestamente avaliar os supostos fatos e os argumentos.

    Professores são profissionais do saber. Não apenas para si mesmos mas para compartilhamento com os alunos. O que é bom senso para todo cidadão, é requisito essencial para professores.
    Deveria ser inaceitável que um professor se mantivesse fechado e protegido nas suas próprias convicções e que induzisse seus alunos a essa estreiteza de visão.

    A obrigação de professores deveria ser passar a seus alunos as visões divergentes sobre um assunto e estimulá-los a analisar e tirar suas conclusões.

    Nesse sentido, nada demais em recomendar que professores esquerdistas leiam A Verdade Sufocada e outras obras que defendem visões opostas.

    Entretanto, ao fazê-lo de forma agressiva e desrespeitosa para com alguma das visões, Bolsonaro mais uma vez prejudica a essência com a forma imprópria de comunicação. É uma pena.

    @jairmessiasbolsonaro

    • Gabriel Arruda

      Eu me sujeitaria a ler o livro do Ustra só para saber como é que funcionava a mente daquele Monstro.Deve ser uma experiência similar a ler Mein Kampf de Hitler.

    • Daniel Araujo

      Sim, Gabriel Arruda, é um motivo válido para ler ambos os livros. Creio que o de Hitler seja bem mais relevante.

      Mas uma razão ainda mais importante do que entender como funcionava a mente dessas pessoas (especialmente Hitler), é entender o que no discurso deles conseguiu convencer tantas outras pessoas.

      Claro, a razão mais fácil que vem à mente é que eram um bando de idiotas, ou monstros.
      Mas essa explicação nos impede de realmente entender.

      Do lado oposto, é o erro grave cometido pelos que odeiam Lula e os Lulistas – são todos uns idiotas, para que entendê-los?

      Esse menosprezo acaba contribuindo para que de vez em quando um desses idiotas seja eleito.

      Quanta gente menosprezou Lula como sendo um molusco? Acabou se revelando muito inteligente. Quem o menosprezou ajudou na sua eleição…

      Idem com relação a Bolsonaro ou, num país muito mais avançado, Trump.

      A força desses caras que os opositores costumam menosprezar como idiotas, é que eles conseguem expressar necessidades importantes de segmentos da sociedade. Muitas necessidades legítimas e respeitáveis.

      O descaso dos que têm momentaneamente o poder para com essas necessidades acaba elevando a pressão ao ponto em que acabam perdendo o poder.

      Assistimos a isso na Venezuela – a elite econômica desprezou as necessidades de grandes segmentos da população e gerou o crescimento de Chavez. As consequências estão sendo desastrosas para a Venezuela e a maior parte da população.

      É importante entender os que pensam diferente, inclusive quem achamos que são apenas inimigos idiotas.