Após pedir salário de R$ 61 mil e citar “trabalho escravo” como justificativa, ministra recua

Constituição Federalcrise brasileiraLuislinda ValoisMinistra dos Direitos Humanosministro do SupremoPolêmicasupremo tribunal federalteto remuneratóriotrabalho escravo
Comentários (0)
Comentar