Auditores da Caixa veem conflito de interesse na indicação de novo presidente do banco

BTG Pactualcaixa econômica federaleconomia brasileirafuncefJair BolsonaroPaulo GuedesPedro Guimarãespetrosprivatizações
Comentários (3)
Comentar
  • Sérgio Salomon

    Senhoras carpideiras da CEF. Porque os auditores da CEF não atentaram para o fato de roubo descarado provocado pela quadrilha de Eduardo Cunha e de seus asseclas dentro do Banco. ONDE ESTAVAM OS AUDITORES??????Eles estão é como receio de privatização. Eu sou cliente CEF e nunca vi nos últimos tempos a péssima prestação de serviços=não se consegue pagar contas nos caixas eletrônicos porque estão sempre fora do ar. Quem faz a manutenção dos caixas sempre faz este trabalho depois das 10 horas da manhã ou antes das 16 horas horários de grande movimento nas agências. ACORDA AUDITORES=OLHEM PRIMEIRO PARA DENTRO DO BANCO E O QUE OS SENHORES AUDITORES DEIXARAM DE FAZER COMO SUA OBRIGAÇÃO.

    • Marcelo

      Bem então vamos falar eu também sou cliente da CEF e provavelmente a muito mais tempo que você e durante todos esses anos sendo cliente eu conigo ver claramente as melhoras que esse banco teve. Tenho certeza que você deve ser uns desses empresários que também tem algum tipo de relacionamento em um banco privado, mas na hora de pegar um empréstimo ou algum tipo de financiamento seja ele habitacional ou empresarial ou até mesmo de pessoa física procura um banco público (CEF ou BB) para poder fazê-lo onde as taxas são mais baixas e condizentes com o público desse tipo de banco que em sua grande maioria são pessoas humildes, ou seja se por acaso esses bancos forem privatizados o que o atual presidente disse na sua candidatura que não o faria, até porque os mesmos tem dado lucros cada vez maiores, será uma enorme decepção para os eleitores do presidente eleito, já que ele mesmo diz e disse que ajudaria o povo e tentaria acabar ou pelo menos diminuiria essa diferença social gritante que existe em nosso País.

  • Rodrigo da Silva

    Sempre os “amiguinhos” do Paulo Guedes.