Colunistas

Saúde + 10

Projeto de iniciativa popular garante à saúde, até 2018, R$ 257 bilhões a mais do que proposta do governo, diz deputado. Para ele, aplicação na área de 10% da receita corrente bruta da União não vai quebrar as contas públicas

Apesar dos números expressivos de atendimentos realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) nos últimos 25 anos e ainda com a garantia constitucional de seu financiamento pelas receitas da Seguridade Social, a sociedade, na busca por serviços de saúde, foi empurrada para um modelo com predomínio do dispêndio privado. O gasto médio per capta dos 10% de maior renda foi 11,9 vezes superior do que aquele feito pelos 50% com menor renda em 1996. Já a participação federal com o financiamento da saúde pública caiu de 59%, em 2000, para 45%, em 2012, com estados e municípios subindo de 41% para 55% (OKCKÉ-REIS, 2012).

A expansão dos planos de saúde realizou-se através de incentivos governamentais, tais como as renúncias fiscais e as benesses oriundas da ausência de um quadro regulatório. Além disso, o percentual de investimentos públicos como proporção do Produto Interno Bruto (PIB) continua baixíssimo. Em 2012, foi de 3,9%. Enquanto isso, os países europeus tiveram investimento médio de 8% com sistemas universais de saúde (MENDES, 2013). Por que isso acontece no Brasil?

Para Denise Gentil (2006) e Rosa Maria Marques (2010), o financiamento da Seguridade Social foi atropelado pelas pressões da nova ordem financeira internacional sobre as economias periféricas, que impôs um modelo de combate à inflação assentado no uso de altas taxas de juros e no aumento da dívida pública, alimentado também pela expansão do volume de papéis do Tesouro Nacional, em seu estoque (LOPREATO, 2006).

Na busca da estabilidade da moeda, a partir de 1994, várias políticas fiscais foram adotadas, como os contingenciamentos e a Desvinculação de Receitas da União, a DRU, que retirou R$ 578 bilhões da Seguridade Social entre 1995 e 2012. Tal medida contraria até hoje as normas constitucionais de financiamento da Seguridade Social e, por seu intermédio, o financiamento do SUS (Artigo 198, Parágrafo Primeiro, da Constituição Federal).

Apesar disso, embora não se aplicando essa norma para a União, a Emenda Constitucional 29 definiu percentuais mínimos para aplicação em saúde pelos entes federados. Com ela, a aprovação da Lei Complementar 141 trouxe esperança para que a saúde fosse tratada com dignidade. Porém, o veto presidencial na sanção dessa lei, derrubando a aplicação de 10% da receita corrente bruta em saúde, colocou a questão na estaca zero.

Daí a importância do projeto de iniciativa popular intitulado “Saúde + 10”, que recupera a aplicação do equivalente a 10% da receita corrente bruta da União em ações e serviços públicos de saúde. Em termos de financiamento, a diferença entre o projeto “Saúde + 10” e o que o governo federal sugere (15% da receita corrente líquida) é enorme: São R$ 46,4 bilhões a mais já em 2014 e R$ 257 bilhões até 2018. Não há risco de essa proposta quebrar as contas da União, dos Estados e Municípios, como alardeiam setores da área econômica do governo e da iniciativa privada na esfera financeira.

Hoje, já descontados todos os dispêndios que assume com saúde, previdência e assistência social, a Seguridade Social tem superávits anuais acima de R$ 70 bilhões. É urgente transferi-los para a saúde mediante o fortalecimento das ações na atenção básica, no Programa Saúde da Família, nas emergências, na carreira única do SUS, na média e na alta complexidade. Por isso, vamos aprovar o “Saúde + 10”. O Brasil precisa efetivar o direito à saúde.

Referências

1. OKCKÉ-REIS, Carlos Otávio. Gasto das famílias: um sintoma de privatização. In.: SUS: O desafio de ser único. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2012,  pp.51-62.

2. MENDES, Áquilas. Os permanentes conflitos no financiamento do SUS. Revista do Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde. Brasília, Nov/Dezembro de 2013, pp.40-4.

3. GENTIL, Denise. A política fiscal e a a falsa crise da seguridade social brasileira: Análise financeira do período 1990-2005. Tese de Doutorado. Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, UFRJ, 2006.

4. MARQUES, Rosa Maria. O Brasil sob a nova ordem: a economia brasileira contemporânea. Rio Grande do Sul: Editora Saraiva, 2010.

5. LOPREATO, Francisco Luiz C. Política Fiscal: mudanças e perspectivas. In.: CARNEIRO, Ricardo (organizador). A Supremacia dos mercados e a política econômica do governo Lula. São Paulo: Editora Unesp, 2006, pp. 207-227.

Outros textos sobre saúde

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Sobre o autor

Paulo Rubem Santiago

Paulo Rubem Santiago

Presidente da Fundação Joaquim Nabuco e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Paulo Rubem Santiago foi vereador do Recife, deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por três. Passou 28 anos no PT, do qual saiu em 2007 para se filiar ao PDT.

Outros textos de Paulo Rubem Santiago.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade