Colunistas

Vem aí o autêntico camembert mineiro

A notícia é excelente para apreciadores de queijos e aficionados da boa gastronomia. Foi descoberto em Minas o mesmo tipo de fungo que produz o famoso Camembert francês. A chegada do geotricum candidun a fazendas mineiras foi comemorada em todas as mídias. Quem gosta de queijo sabe apreciar o sabor diferenciado e sofisticado do camembert francês, aquele “queijo branco mole”, de casca aveludada e interior cremoso.

O fungo achado na região mineira do Serro pode trazer boas novas para a gastronomia do estado. Os produtores querem, agora, aproveitar o feito para incrementar vendas e lançar novos produtos.

A produção começou na fazenda do vice-presidente da Associação de Produtores de Queijo Artesanal do Serro, Túlio Madureira. Ele conta que o processo de maturação de queijos estava parado há alguns anos, e que agora decidiram retomá-lo.

Quando os mestres queijeiros notaram o aparecimento dos fungos, chamaram pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Feitas as análises, os resultados comprovam que é o mesmo encontrado nos famosos queijos franceses. E mais: também foi constatado que o fungo mineirinho não apresenta riscos à saúde.

Reprodução

“Fungo achado na região mineira do Serro pode trazer boas novas para a gastronomia do estado”, relata Miriam

O geotricum candidun é um fungo natural que se desenvolveu do próprio queijo. Nas fazendas da região do Serro a raça de gado leiteiro garante a qualidade do leite e do queijo. Os estudos devem se expandir para a região da Serra da Canastra, também grande produtora de queijo. São cerca de 800 fazendas que estão maturando queijos nessas regiões.

Os produtores irão regularizar o produto no Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), que faz a avaliação da qualidade sanitária e a tipificação do queijo. Segundo os especialistas, a maturação de queijos leva a produtos de qualidade mais complexa, com vários tipos de amadurecimento, sabores e texturas. Quem sai ganhando é o consumidor, que passa a contar com bons produtos e de sabor diferenciado.

Para a maturação são necessários 45 dias. O produtor Túlio Madureira adianta que esse tipo de queijo vai atender a uma parcela da população que gosta de degustar queijo de qualidade acompanhado de um bom vinho.

E quais vinhos vão bem com queijos do tipo camembert? De acordo com conhecedores e publicações especializadas, uma boa harmonização pode ser obtida com brancos das uvas sauvignon blanc e chardonnay, com tintos da Borgonha (uva Pinot Noir) ou um tinto da uva merlot.

A sugestão do escritor e grande especialista de vinhos britânico Hugh Johnson é você degustar queijos do tipo camembert com um vinho da Borgonha ou do Rhône branco bem seco, se for um queijo branco meia-cura. “Para um queijo curado, um forte e frutado St.Emilion, um jovem Shiraz/Syrah australiano (ou do Rhône), ou (uva) Grenache se estiver maduro”.

Aqui fica uma dica da coluna para quando você receber amigos em casa: além de escolher cuidadosamente os queijos e os vinhos, sirva também nozes, tâmaras, geleias, mel trufado e maçãs verdes e peras.  Sucesso garantido!

Mais sobre gastronomia

Continuar lendo

Sobre o autor

Miriam Moura

Miriam Moura

Miriam Moura é jornalista, com larga experiência na cobertura política em Brasília. Trabalhou em jornais como O Globo, O Estado de S. Paulo e foi assessora de Comunicação em tribunais superiores, como STJ, TST e CJF. É diretora de Consultoria e Treinamentos na Oficina da Palavra e In Press Oficina.

Outros textos de Miriam Moura.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade