Sessão em homenagem à Defensoria Pública será transformada em ato contra Temer

Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

De solene a política: Molon presidirá sessão de protestos no plenário da Câmara

 

Uma sessão solene marcada para esta quinta-feira (18) no plenário da Câmara dos Deputados vai se transformar na manifestação mais contundente contra o presidente Michel Temer. O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), autor do pedido da sessão e responsável por presidi-la, já avisou que vai dar a palavra a todos os colegas que quiserem se manifestar sobre a gravação em que o presidente da República aparece orientando o pagamento de propina ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso e condenado por envolvimento na Operação Lava Jato, para evitar uma delação do ex-parlamentar que o atingisse.

Durante toda a manhã desta quinta-feira (19) o plenário da Câmara vai se transformar no centro das manifestações que pedirão o impeachment ou a renúncia de Temer, além de convocação de eleições diretas. A sessão já estava marcada há mais de um mês e será transformada em palco de disputa política. Os deputados de oposição exigem que a solenidade seja transmitida pela TV Câmara.

Na agenda oficial do presidente Temer estão previstas reuniões com vários parlamentares, entre eles os senadores Sergio Petecão (PSDB-AC), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Davi Alcolumbe (DEM-AP), Ciro Nogueira (PP-PI) e o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC).

Também estão na agenda de Temer os deputados Simão Sessim (PP-RJ), Wilson Filho (PTB-PB, Mara Gabrilli (PSDB-SP), Fábio Faria (PSD-RN), Danilo Forte (PSB-CE), Toninho Pinheiro (PP-MG), Bruna Furlan (PSDB-SP), Alex Canziani (PTB-PR), Experidião Amim (PP-SC), Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) e até o pastor Silas Malafaia. O objetivo de Temer ao receber este grupo era convencê-los a votar a favor da reforma da Previdência. O Palácio do Planalto não confirmou se as audiência serão mantidas.

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Publicidade Publicidade