Julgamento de Dilma no Senado abre precedente favorável para Cunha

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Carlos Marun: "Pau que dá em Chico dá em Francisco"

Aliados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acreditam que a decisão tomada pelo Senado nesta quarta-feira (31), de cassar o mandato da presidente Dilma Rousseff e preservar seu direito de exercer função pública, abrirá o precedente para beneficiar o peemedebista. Esta é, pelo menos, a tese sustentada por um conhecido defensor de Cunha, Carlos Marun (PMDB-MS). “Não há como não existir uma similaridade entre os dois processos. Pau que dá em Chico dá em Francisco”, avalia o peemedebista.

“Claro que eu também fico preocupado em expressar a minha opinião sobre constitucionalidade tendo em vista que a decisão foi tomada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ou seja, o maior guardião da Constituição Federal, mas eu entendo que a decisão é inconstitucional. Agora, ela prevalecendo, ou seja, não sendo derrubada por inconstitucionalidade, ela abre possibilidade sim para que a estratégia de defesa se modifique”, afirmou Marun.

A votação da cassação de Cunha está marcada para o próximo dia 12, e, para o deputado Chico Alencar (Psol-RJ) a tentativa dos aliados do peemedebista não se sustenta. “Não dá para aceitar essa jogada, não por acaso apoiada por várias ‘raposas’ do PMDB e parlamentares investigados: alface e jaca são do mundo vegetal, mas totalmente distintas”, disse Chico. Para o parlamentar, o rito do impeachment e o processo de cassação do mandato de um parlamentar são processos distintos.

“Não aceitaremos que se contrabandeie para a Câmara, inventando um procedimento inédito e interessado, o que o Senado resolveu em sua dinâmica particular, em caso singularíssimo”, afirmou o deputado do Psol.

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Publicidade Publicidade