A vacina

Brasil, idos de 2020. Uma séria pandemia faz gemer todo um povo. As imagens de urnas funerárias enfileiradas e a dor do adeus à distância comovem - ou deveriam comover - os mais frios corações.

Eis que surge, em momento tão doído, a notícia de que ambulantes estariam vendendo doses de uma vacina salvadora - se legítima fosse - em dado subúrbio do Rio de Janeiro. Poucos meses antes, aliás, uma empresa da mesma cidade foi denunciada por comercializar a mesma ‘mercadoria’.

Alguns poderiam dizer que estaria ali, no tabuleiro de um camelô, apenas mais um produto falsificado. Humildemente discordo. A cena retrata, em verdade, o embrutecimento de um país. O entorpecer de uma gente.

Troque-se aquele ambulante por uma das autoridades que, em plena pandemia, desviaram recursos destinados à saúde. Que foram insensíveis. Substitua-se a vacina falsa pela falsidade das tantas promessas de que o saneamento básico e o sistema de saúde público seriam objeto de sincera atenção. E a cena continuará a mesma. Não menos dantesca. São todos iguais, afinal - seres sem alma. Mercadores do mal.

Não se esqueça das pessoas que, segundo noticiado, lá estavam em considerável número, angustiadas pela tentação daquele iludir que serena a mente. Retire-as do quadro. Substitua-as por todos quantos aceitam, bajulam e até protegem corruptos por este país afora, em ilusão absolutamente similar. E o cenário não mudará.

A moldura que torna possível exibir quadros que tais nos é conhecida. Atende pelo nome de ‘Estado ausente’. De ‘instituições amesquinhadas’. De ‘rotina do absurdo’. De ‘vida como der’. De ‘salve-se quem puder’.

Há, finalmente, o fundo da cena. Ele é invisível - cor de alma. Das almas dos nossos semelhantes que esperaram em vão por algo que os salvaria de horrores mil. Que vimos partir, apequenados e impotentes - eles e nós. Segue com cada um deles um pedaço da Pátria. O lamento de um Brasil menor - sob todos os sentidos.

Este quadro não é daqueles que habitam museus - antes, está exposto em sua rua. Ali na frente. Saia de sua prisão, digo, morada, e contemple-o com atenção - você ou algum dos seus está nele, afinal. Ou já esteve. Ou estará.

Aproxime-se dele - e ouvirá, sob a forma de um leve sussurro, todo um povo a gritar, com Disraeli, que “a vida é curta demais para ser pequena”.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br.

> Leia mais textos do autor.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!