Presidir a Febrafite no novo mundo pós-pandemia

Rodrigo Spada *

No último dia 17 de março, para minha honra, fui conduzido à presidência da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), na primeira assembleia por videoconferência realizada nos seus quase 30 anos de existência para definir a renovação da diretoria. Emblemática, a forma como me tornei presidente já mostrou, de início, sinais de que nosso mandato se dará em ambiente de profundas mudanças na história mundial.

> Mesmo com dinheiro, Brasil não consegue comprar produtos médicos para pandemia

Se é motivo de honra presidir essa associação, que reúne mais de 30 mil auditores das receitas estaduais, pertencentes a 27 entidades, é também motivo de apreensão desafiadora. No momento em que escrevo estas linhas, o Brasil conta 240 óbitos e mais de 6,9 mil casos confirmados de covid-19 e o mundo contabiliza mais de 48 mil  mortos e perto de 1 milhão de pessoas infectadas pelo coronavírus. Não bastasse a tragédia sanitária, nosso país vive crise política sem precedentes nas últimas décadas e cenário econômico aterrador.

A despeito das consequências trágicas da epidemia, tudo isso nos mostra o quanto nossos atuais modelos econômicos e sociais são equivocados e vulneráveis. Na história da humanidade retrocedemos muito em tais aspectos. Afinal, como explicar que, ao contrário dos nossos ancestrais, nossas famílias não dispõem de suprimentos (e por suprimentos entenda-se estoques e poupança) suficientes para enfrentar quatro ou cinco meses de adversidades? Como explicar que as empresas não possuam reservas para sobreviver ao mesmo período? O que dizer de um Estado que se mostra incapaz de oferecer segurança alimentar para os indivíduos menos afortunados, se hoje temos mais tecnologias e mais excedentes? A resposta está na enorme concentração de capital e na desigual distribuição de rendas e oportunidades.

O mundo não será o mesmo. Isso é certo. Novas políticas e novas práticas haverão de substituir as existentes: governamentais, corporativas, empresariais, familiares e pessoais. A noção de segurança se mostrou frágil. Estaremos todos muito inseguros após a pandemia. Resultados superiores no curto prazo serão menos valorizados que solidez e segurança no longo prazo.

A Reforma Tributária, também em quarentena, haverá de abarcar outros pilares além do aprimoramento da tributação sobre o consumo; a função do Estado haverá de ser revalorizada e ressignificada; o papel social das empresas se transformará em diferencial competitivo para os investidores; limites serão impostos à globalização econômica. A preocupação com a vulnerabilidade das economias domésticas, com a seguridade social e com a solidez das organizações estabelecerão novos parâmetros. Saúde, ciência, educação, informação, qualidade de vida e meio ambiente ganharão primazia em todas as agendas.

Tudo isso não nos apavora. Pelo contrário, nos motiva a também protagonizar as mudanças de valores, mentalidades e legislações necessárias a um mundo melhor e mais sustentável. Temos mais ainda a convicção de que havemos de trilhar, forçosamente de maneira diferente, o caminho já iniciado pelos meus antecessores Juracy Soares, Roberto Kupski, Lirando de Azevedo Jacundá e João Eduardo Dado. Caminho que leva à justiça tributária, à cidadania pela educação fiscal e ao equilíbrio social.

*Presidente da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite). O texto acima é a íntegra do seu discurso de posse no cargo.  

> Prioridade deve ser saúde até para atenuar danos na economia, alerta Farol Político

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!