O papel do projeto hegemônico do nacionalismo

*Júlio Roberto de Souza Pinto

O nacionalismo é um mito que dá substância aos significantes vazios "a nação" e "o povo". O mito nacionalista, portanto, busca conduzir a ação social e política em nome de certo "ethnos" (brasilidade, por exemplo) e de determinado espaço nacional imaginário (Brasil, como o locus da brasilidade).

Essa substanciação do espaço nacional assume a forma de uma série de atributos qualificadores da brasilidade, mantendo o exemplo. No entanto, a verdadeira essência do que é ser brasileiro sempre escapará à qualificação.

Ao fim e ao cabo, a substanciação da brasilidade só se alcançará na e por meio da construção discursiva do que não é ser brasileiro ou dos "inimigos do Brasil", que estão ao mesmo tempo fora e dentro da nação. A figura do “traidor”, por exemplo, é indispensável para a unificação da nação.

Os inimigos da nação podem ser construídos pela expansão de uma cadeia de equivalências que invoca a ideia de uma conspiração contra a nação. Mas também podem ser construídos como adversários legítimos.

De acordo com Zizek (1990), os inimigos da nação são geralmente acusados de "prazer excessivo". A nação “existe enquanto seu prazer específico segue materializado em práticas sociais e transmitido por mitos nacionais que estruturam essas práticas” (1990, p. 53).

Assim, o mito nacionalista é sempre relacionado com a posse da coisa nacional. Os inimigos da nação querem subtrair nosso prazer ou ganhar acesso a algum prazer secreto nosso. Ao imputar ao outro a subtração do prazer, escondemos o fato de que nunca possuímos aquilo que supostamente nos foi subtraído (1990, p. 54). Além disso, ao fantasiar sobre ou mesmo odiar o prazer do outro, revelamos nosso próprio prazer. Meu pai, por exemplo, nas raríssimas vezes que reclamava de alguém, era por ser metódico. Meu pai era excessivamente metódico e odiava esse fato.

Bom ou mau, o nacionalismo provê a superfície na qual se inscrevem demandas, esperanças e aspirações sociais. O nacionalismo e o antagonismo social que ele faz surgir podem, pois, ser vistos como uma resposta discursiva ao deslocamento. Deslocamentos resultantes de eventos internos ou externos que questionam, desestabilizam e desmontam o regime corrente criam uma profunda necessidade de um projeto hegemônico capaz de rearticular os significantes flutuantes dentro de uma nova ordem discursiva que alimente a esperança de plena realização das identidades deslocadas dentro de um espaço comunal unificado.

O papel do projeto hegemônico do nacionalismo, portanto, provê o significante vazio da nação, que simboliza uma plenitude ausente, de um conteúdo substancial preciso com o qual o povo possa identificar-se.

Referência: Zizek, S. Eastern Europe’s republic of Gilead. New Left Review, 183, Sep/Oct, 51-62.

*Júlio Roberto de Souza Pinto é doutor em Sociologia pela UnB com pós-doutorado em Oxford e Duke, advogado e professor do Mestrado Profissional em Poder Legislativo da Câmara dos Deputados.

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!