Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

A predadora luta de tucanos contra seu mais vistoso exemplar

O tucano é uma ave de bico grande e plumagem colorida. Não é comum a criação deles em cativeiro. Pouco se sabe sobre o seu comportamento, e se são amigáveis. Aparentemente o são, mas se sabe que comem pouco e precisam de água limpa. Alimentam-se pelo menos duas vezes ao dia, e sua dieta básica é composta de frutas, verduras. Em seu habitat natural, suprem suas necessidades comendo pequenos insetos, quando não conseguem o prato preferido.

Como possuem um sistema digestivo que se baseia na absorção, em poucas horas defecam o que consomem.

É claro que eu não sabia de nada disso, como é natural, recorri ao professor Google (perito animal) para desenvolver o tema que abrangerá a atual situação de algumas dessas aves que mais parecem de rapina do que um belo espécime de tucano.

O certo é que, na sua dieta, o tucano se alimenta principalmente de frutas tais como maçã, melão, pêssego, banana, pêra, manga, kiwi e morango. O kiwi deve ter entrado na lista há pouco tempo, pois era inexistente em nossas paragens. Quanto aos legumes, gostam de pepino, tomate, cenoura, massaroca de milho e chuchu; pronto, apareceu, discretamente, o chuchu.

Com a credencial de ser um animal muito admirado no país por sua postura e beleza, o tucano foi escolhido como símbolo da Social Democracia Brasileira, antigo PSDB. Dissidência do movimento Democrático Brasileiro, ex-MDB, aquele comandado por Ulysses Guimarães; hoje colocado no paredão em razão da existência de alguns dos seus membros assaltantes dos cofres públicos.  O Dr. Ulysses, se estivesse vivo, com certeza desapareceria para não morrer de vergonha.

Nas eleições de 2006, o candidato Geraldo Alckmin, apelidado de “Chuchu” por seus próprios colegas de partido, foi o candidato para enfrentar Lula. O PSDB, como faz hoje, minou a candidatura de Alckmin, deixando-o ao léu. Os emplumados ficam tergiversando sobre o apoio que deveriam dar ao escolhido que é, sem dúvida, o mais vistoso representante da espécie. À época, os tucanos maiores pareciam desejar entregar o governo a Lula para derrotá-lo em futura eleição, recolocando Fernando Henrique Cardoso no poder.

Geraldo, como gosta de ser chamado, além da conduta irrepreensível nos cargos que exerceu na vida pública, especialmente no governo de São Paulo, enfrentou a oposição dentro e fora do partido e, com o seu vice, o pernambucano José Jorge, igualmente político com espírito público, foi ao segundo turno, o que poucos acreditavam, sendo superado por Lula que, reeleito, levou o Brasil à derrocada em que nos encontramos hoje.

É inacreditável que um personagem como Alckmin seja minimizado numa eleição em que se diz que o povo deseja, para governar o país, alguém exatamente com o perfil do pré-candidato do PSDB. Diz-se que o eleitor deseja algo novo, desenhando a cara de novo em políticos manjados ou em estrelas midiáticas profundas conhecedoras de assunto nenhum.

Quanto à Lula, o novo velho, espera-se que não possa disputar as eleições, apesar de seus companheiros, acusados como ele de diversos crimes, estejam nas ruas incitando a violência aos seus poucos seguidores que perderam as regalias dos cargos de direção do governo no qual serviam de cúmplices de falcatruas. Esses, irresponsáveis e delirantes, deveriam ser levados à Justiça por iniciativa do Ministério Público Federal.

Geraldo Alckmin será o candidato do SDB, já sem a denominação de partido, para que, unidos, os tucanos elejam o presidente, governadores, senadores e deputados, com fichas limpas e passado ilibado. Aqui, na capital federal, a mesma história se repete, com tucanos de asas cortadas, fazendo grande esforço para minar a pré-candidatura do deputado federal e presidente regional do PSDB, Izalci Lucas, que presta relevantes serviços a Brasília e ao Brasil.

A novidade deverá ser a mudança radical na política nacional e partidária, sem fechar o bico dos tucanos insatisfeitos com a conduta de seus líderes.

Continuar lendo