Fábula rodoviária

1.Plataforma 36

2. Crianças de até cinco anos comem cheetos na área de embarque

3. Zoeira, furdunço,barafunda.

4. Pais adolescentes

5. Avó-urubu. Também jovem, porém visivelmente evangélica e arruinada.

6. Dedos engordurados de cheetos das crianças de até cinco anos.

7. Unhas micosadas da avó-urubu.

8. Nomes que desafiam a lei da gravidade:

9. Maicon puxa o cabelo de Katiene

10. Katiene abre o berreiro.

11. Dafne tatuada no antebraço de Uélinton.

12. Uélinton recrimina Maicon

13. Maicon e Katiene choram.

14. Malas e mochilas cor-de-rosa da mesma cor do esmalte que tenta cobrir a unha micosada da avó-urubu-evangélica. Eu me aproximo.

15. Conteúdo ameaçador das malas e mochilas

16. Véspera de feriado.

17. Babelão é a soma de zoeira, furdunço, barafunda, mais a quizumba tão ameaçadora quanto o conteúdo (cheetos) das mochilas-cor-rosa. O termo "Babelão" foi cunhado por Furio Lonza, registre-se.

18. Descarto os Bálcãs por despeito fonético, como se fosse o responsável pelo setor de admissão dos novos sócios do Clube Harmonia.

19. E penso: "Jamais acontecerá um genocídio limpinho na Vila Joaniza". Mas não trabalho no setor de degola do Clube Harmonia. Nem sou o Mengele da Oscar Freire.

20. Sou muito mais Odara que isso.

21. Dafne torce o braço de Maicon, e ameaça: "não pertuba! não pertuba!"

22. Uélinton não é menos podre do que eu - embora seja um pouco mais adaptado e bem mais novo, tem idade para ser meu filho.

23. Se fosse ...meu filho, o castraria e trancaria numa jaula.

24. Não vejo futuro para Maicon nem para Katiene. Apenas celulares cor-de-rosa, eletrodomésticos, desqualificação profissional, cheetos e dívidas no cartão da Renner.

25. Bermudões, tênis de três andares, mochilas cor-de-rosa. Penso: "Crianças tem um alto potencial pro mau gosto". Em seguida, faço uns cálculos:

26. Consumo = cidadania

27. Cidadania = consumo.

28. Lula é um gênio. Um estadista que é transmitido pelos telões da rodoviária. Ele vocifera e pragueja. Mas não ouvimos o que diz, portanto Lula apenas se espalha - feito um câncer.

29. Um estadista sem uma única frase. Divago:

30. Getúlio saiu da vida e deu um jeito de virar história - embora haja controvérsias com relação à autenticidade da carta-testamento. Dizem que o autor é Augusto Frederico-Schimidt.

31. Traído pelas divagações, estabeleço contato visual.

Tarde demais.

32. Getúlio arrumou uma frase para si e entrou para a história, e eu entrei pelo cano.

33. Dafne e a sogra apavoram-se ao se defrontar comigo. Maicon tem convulsões brutais debaixo da burca encardida da avó-urubu.

34. O ônibus das 16 horas encosta na plataforma 36. Uélinton entra na fila do bagageiro. Equilibra uma maçaroca de papelão sobre a cabeça. O embrulho destoa acintosamente das mochilas cor-de-rosa. "Tropical-fanho", penso.

35. Cheetos esparramados pelo chão.

36. Katiene alcança os salgadinhos, Maicon - ainda sob o efeito das convulsões - vislumbra os despojos de cheetos entornados pelo chão, e avança na direção da irmã. As crianças chafurdam na plataforma 36.

37. Ânsias. Refluxos. Azia. Cheetos.

38. A avó de unha micosada sacode violentamente Katiene, e reprova com veemência o pânico escancarado que deforma meu rosto.

39. Eu recuo, e me apavoro diante da repulsa de Dafne e das imprecações da velha-urubu evangélica que têm as unhas micosadas do pé pintadas de cor-de-rosa ... acrílico.

40. Antes de recuar, porém, distribuo um gesto obsceno. Um foda-se amplo, fervoroso, carregado de fungos e perplexidade. Penso que no dia seguinte será 7 de setembro. Dilmão passará as tropas em revista.

41. Uélinton e Maicon têm os cabelos cortados à Neymar. Duas crianças.

42. Dafne alisou e descoloriu a carapinha no salão da Michelly. Num futuro próximo, terá unhas micosadas acrílicas iguais às unhas da sogra. E burcas da Renner.

43. Uélinton mostra os documentos das crianças pro motorista.

44. Noto que há uma cumplicidade maligna entre o motorista e Uélinton.

45. Dafne corre atrás de Katiene. Maicon volta a ter convulsões e espasmos, e agora relincha.

46. Vejo meu perfil refletido na plataforma de embarque. Em poucos minutos me transformarei num queijo quente.

47. A velha de unha micosada cor-de-rosa saca uma Bíblia em meio aos salgadinhos e me amaldiçoa pro resto dos meus dias.

48. O pavor impresso no meu rosto transforma-se em escárnio.

49. O motorista nota que há algo de maligno na minha figura, e pede meus documentos.

50. Era tudo o que eu queria. No RG, ostento um bigodinho grisalho estampado numa cara de bunda. Sou um filhodaputa premeditado.

51. Subimos no ônibus - o que era pavor, medo, desconfiança, ressentimento,animosidade,ultraje, afronta, nojo, carne viva, fratura exposta, ridículo pleno e intolerância;

52. enfim, o que era ódio declarado de ambas as partes ...

53. transforma-se em destino -

54. O mesmo e improvável destino:

Brasil, 6 de setembro de 2012. 15h: 50 min. Plataforma 36. Terminal Rodoviário do Tietê.

Continuar lendo