A sociedade às vezes não se reconhece em seu espelho

A votação do impeachment na Câmara dos Deputados foi acompanhada pela população em clima de final de Copa do Mundo. A longa sessão alcançou índices de audiência inéditos. A maioria dos cidadãos acompanha pouco o funcionamento do Poder Legislativo. Em geral, as pessoas só percebem a centralidade do parlamento na democracia, quando algum interesse direto ou corporativo é envolvido em alguma discussão legislativa. Foram grandes a repercussão e o mal-estar coletivo com as declarações que acompanharam os votos que levaram à admissão do processo de afastamento da Presidente Dilma. De um lado, o samba de uma nota só da minoritária bancada governista sobre o suposto golpe inexistente e a quebra da democracia que definitivamente não está ocorrendo, ao contrário. De outro, centenas de declarações envolvendo motivações paroquiais, familiares ou religiosas. Poucos, como eu, falaram sobre os crimes e transgressões cometidos.

O estranhamento ocorrido entre a sociedade e sua representação política nesse caso concreto revela o fosso abissal que se abre crescentemente entre a cidadania e a principal instituição que a representa. Historicamente as pesquisas de opinião revelam a avaliação ruim que a sociedade tem de seus representantes políticos. Mas em tese o Congresso é o espelho da sociedade, já que ninguém chega lá sem ser eleito por ela, no ambiente da mais completa liberdade. É uma questão instigante discutir porque a população, ao mirar o que seria o seu reflexo no espelho, tem a sensação de incômodo e decepção. Salta aos olhos que as regras de nosso sistema não ajudam a construção de uma relação de proximidade, identidade e controle entre representante e representado, entre eleitor e eleito. Além disso, é evidente que o poder econômico, o baixo nível de informação e consciência, o populismo, entre outros vetores, distorcem a representação. E aí, em momentos de alta e rara visibilidade, como na votação do impeachment, a raiz renega os frutos, o cidadão renega a imagem coletiva projetada no espelho.

Não há democracia sem parlamento, a instituição central na dinâmica democrática. Daí surgem as leis que regem a vida social, as regras do jogo. Montesquieu disse certa vez: “Liberdade é o direito de fazer tudo que as Leis permitem”. Daí a centralidade do Poder Legislativo. O Executivo reflete uma posição majoritária temporária que se forma. Não representa o todo. O Judiciário encarna a garantia do cumprimento das Leis.  É o parlamento, com suas virtudes e pecados, que representa toda a sociedade. Se é verdade que a liberdade é um valor universal e permanente. Se é verdade, como quis o estadista inglês, que a democracia é o pior sistema, exceto todos os outros. Tratemos de melhorar o funcionamento de nosso sistema político e qualificar o processo eleitoral em 2016 e 2018.  Quem sabe assim a imagem no espelho reflita melhor a sociedade brasileira.

Mais sobre impeachment

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!