Sarney defende rapidez na apuração de denúncias contra Demóstenes

Para o presidente do Senado, as denúncias são graves e Conselho de Ética deve resolver seus problemas para analisar as representações contra o senador goiano

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) defendeu hoje (29) que a representação feita pelo Psol contra o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) seja “colocada em andamento”. Investigado pela Operação Monte Carlo da Polícia Federal, Demóstenes é acusado de envolvimento com o esquema ilegal de exploração de jogo comandado pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira, que está preso no presídio de Mossoró (RN).

Psol aciona Demóstenes por quebra de decoro
Novas gravações agravam situação de Demóstenes

Outros destaques de hoje no Congresso em Foco

“As denúncias são graves e o que nós temos é que colocar em andamento as representações que forem feitas”, afirmou o presidente da Casa após reunir-se com o vice-presidente do Conselho de Ética do Senado, Jayme Campos (DEM-MT).

Durante o encontro, Campos disse se sentir impedido para comandar o eventual processo contra Demóstenes, pois ambos pertencem ao mesmo partido. “Ele [Jayme Campos] me comunicou que sendo vice-presidente do Conselho acha que a presidência está vaga. E o presidente que teria a competência de decidir sobre a representação. O senador disse que iria consultar o jurídico da Casa para ver que solução teria que tomar”, disse Sarney, sobre a situação de Jayme Campos. O senador pediu que sejam convocadas novas eleições para o conselho, a serem realizadas, provavelmente, após a Páscoa.

Na quarta-feira (28), Campos chegara a dizer que o fato de ser do mesmo partido de Demóstenes não o impedia de por os processos em andamento. A presidência do Conselho de Ética do Senado está vaga desde setembro, quando o senador João Alberto (PMDB-MA) se licenciou para assumir a Casa Civil do governo do Maranhão.

Conheça o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!