Senador pede providência a Moro contra exibição de “Verdinha” na Globo

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) encaminhou um ofício ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, contra o que ele chama de “divulgação de apologia a drogas em programa televisivo de rede nacional”, se referindo ao Encontro com Fátima Bernardes, da Rede Globo. O programa matinal recebeu no dia 23 de dezembro a cantora Ludmilla, que cantou a música Verdinha.

> AGU se pronuncia contra criação do Dia da Consciência Negra em SP

Na letra, a cantora diz que que está vendendo a “grama da verdinha a R$ 1,00”. “Eu fiz um pé lá no meu quintal, tô vendendo a grama da verdinha a um real”, diz a música. Em material encaminhado para a imprensa, o senador ressalta que segundo o artigo 287 do Código Penal, é crime “fazer, publicamente, apologia de fato criminoso”.

Marcos relembra que “no Brasil, é ato criminoso o cultivo, produção e tráfico de drogas como a maconha”.

“Há quem diga que na música não exista apologia, mas isso é facilmente contestado ao ver a própria produção do clipe”, diz o senador. No clipe, a cantora aparece entre pés de alface e outras plantas, mas não maconha. Porém, em determinado momento, várias pessoas aparecem entre fumaças que saem das plantas e por mais de uma vez a cantora aparece fumando algo, que, no entanto, não é possível afirmar o que seria.

O senador segue: “Os termos ‘Rainha do baseado’, o fumo de substância ‘verdinha’ que não é reconhecida pela família, conforme a letra, e até mesmo o enaltecimento de armas de fogo, presentes no clipe, são alusões diretas ao crime de tráfico de drogas”.

No ofício encaminhado ao ministro Moro, o senador disse que espera medidas cabíveis “em nome da família brasileira, principalmente as que sofrem as consequências drásticas que a dependência química causa, bem como pela afronta à legislação vigente”.

 Essa não é a primeira ofensiva de autoridades contra a presença da cantora no programa da Rede Globo. O deputado e pastor Otoni de Paula (PSC-RJ), apresentou uma notícia crime na Polícia Federal. A acusação do parlamentar diz que o programa fez apologia ao uso, cultivo e venda de maconha ao exibir a música.

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, também se pronunciou contra a música ser veiculada em rede nacional.“Eu queria falar para vocês da minha indignação com o lobby descarado que está sendo feito para a legalização da maconha. Agora, no programa, às 11 horas da manhã, em um programa que as crianças assistem, no programa da Fátima Bernardes, a cantora Ludmilla apresenta um vídeo que ela está apresentando inclusive na rede, incentivando o uso da maconha. Ela fuma maconha o tempo todo, chama de apelido e diz que maconha é uma coisa boa. Isso é uma afronta à sociedade”, disse.

A cantora, por sua vez, agradeceu aos críticos e disse que quanto mais eles falam, mais famosa “fica a verdinha”. “Tô adorando esses trouxa divulgando minha música e meu clipe de graça, sem permuta, sem pagar nada, que delícia”, disse nas redes sociais. “Quanto mais vocês inventar (sic) coisas, mais famosa a verdinha fica. Continuem que eu tô amando, cambada de trouxa”, publicou a cantora. O clipe já passou de 30 milhões de visualizações no Youtube.

> Gastos de parlamentares são excessivos e devem ser reduzidos, diz TCU

apologiaartigo 287 do Código PenalEncontro com Fátima Bernardesfamília brasileiraJustiça e Segurança PúblicaludmillaMarcos do Valministro da CidadaniaOsmar TerraOtoni de PaulapodemosSérgio MoroVerdinha