Malafaia diz que senadores “arregararam” ao não chamá-lo para CPI

Um dos líderes religiosos mais próximos do presidente Jair Bolsonaro, o pastor Silas Malafaia, apontou novamente as críticas à CPI da Covid. Em uma postagem, nas redes sociais, o evangélico atacou os senadores da comissão e disse que eles teriam "arregado" de convocá-lo para depor na comissão parlamentar.

"Aziz, Randolfe, Renan e Humberto arregaram e são atores principais desse circo que quer atacar o presidente e não querem a verdade", exasperou-se o pastor contra os senadores que integram a base oposicionista ao governo de Bolsonaro na comissão.

Aziz preside a comissão, Randolfe ocupa a vice-presidência e Renan, a relatoria.

Sobre Aziz, o líder da Assembleia de Deus vitória em Cristo falou que não possui relação próxima, mas que não é do interesse do parlamentar amazonense ouvi-lo na CPI . No vídeo postado em suas redes sociais, Malafaia disse que não apenas de "conselhos espirituais" que trata com o presidente da República.

"O Brasil inteiro sabe que eu tenho posições políticas, não como pastor, mas como cidadão em um Estado Democrático de Direito", defendeu o Malafaia. "Falei sim com presidente todo esse tempo, e falo sobre pandemia, sobre vacina, sobre preventiva, sobre dinheiro enviado a estados e municípios. Essa que é a verdade – eu falo com o presidente sobre temas políticos sim."

Defensor de primeira hora do governo, o pastor também respondeu à provocação de Humberto Costa, que disse que a convocação do pastor poderia ser conjunta à convocação do ex-policial militar Fabrício Queiroz, amigo próximo do presidente e envolvido no esquema de rachadinhas de Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ). "São tão cínicos que o presidente não fala com esse cara desde março de 2019", vociferou.

Em sua live semanal, nesta quinta-feira, o próprio Jair Bolsonaro citou a decisão da  CPI de não acolher o requerimento do senador Marcos Rogério (DEM-RO) para chamar o líder evangélico.

"Estão com medo do Malafaia? Que é uma das pessoas com quem eu mais converso", provocou."E não vem com esse papinho de 'não vou convocar assessor espiritual'– ah, vá plantar batata, CPI! Ele fala muita coisa comigo! Estão com medo do Malafaia, ou estão com medo dos evangélicos".  Bolsonaro ressaltou que o pedido para que o pastor evangélico seja convocado era dele.


> Reconvocação de Pazuello é para “este maluco parar de delinquir”, diz Renan
> Primeira oferta de vacinas ao governo foi em 30 de julho, diz Dimas Covas

Continuar lendo