Cid Gomes quer que Previdência tramite de 30 a 45 dias além do previsto

O ex-governador e senador Cid Gomes (PDT-CE) defendeu nesta sexta-feira (16) que mudanças na reforma da Previdência sejam feitas por meio do texto original e criticou a ideia de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Paralela.

Se o Senado fizer mudanças no texto aprovado pela Câmara dos Deputados, o projeto precisa voltar à Casa Legislativa. O pedetista acredita que uma volta da reforma para análise da Câmara acrescentaria de 30 a 45 dias no período de tramitação.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), quer terminar de votar no Senado até o início de outubro. Considerando os dias a mais defendidos pelo senador do PDT, a reforma teria sua apreciação terminada em meados de novembro, perto do recesso legislativo.

> Davi Alcolumbre evita falar de volta da capitalização na Previdência

> Senado busca apoio da Câmara para a PEC paralela dos estados e municípios

“Defendo que as alterações sejam feitas na PEC original. Creio que o fato de ter de voltar para a Câmara votar de novo acrescenta ao calendário 30 ou 45 dias a mais apenas. Isto é irrelevante para um projeto com repercussões em uma década”, disse ao Congresso em Foco.

No dia 7 de agosto, a Câmara dos Deputados aprovou a reforma da Previdência em 2º turno, mas sem incluir estados e municípios.

No entanto, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator da proposta no Senado, disse que será criada uma PEC (Projeto de Emenda à Constituição) paralela para incluir os estados na reforma.

O tucano também defende que toda alteração no texto original seja feita por meio dessa PEC Paralela, para evitar que a reforma volte para o debate dos deputados.

> Relatório da Previdência deve ser votado em setembro, diz Simone Tebet

cid gomesestadospdtPSDBreforma da previdênciaTasso Jereissati