Policiais para Guedes: “Quem se furta à responsabilidade sobe em cadáveres”

O ministro da Economia, Paulo Guedes, se envolveu em uma nova polêmica com os servidores públicos. Na última sexta-feira (15), ao falar sobre reajustes salariais ao funcionalismo público, o ministro pediu para que os servidores não assaltassem os cofres públicos. “É inaceitável que tentem saquear o gigante que está no chão, que usem a desculpa para saquear o Brasil”, afirmou Guedes. A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) emitiu nota, nesta segunda (18), repudiando a fala do ministro.

Relator muda MP para proibir reajuste de plano de saúde durante pandemia

Paulo Guedes é contrário ao aumento de salário para médicos e policiais, que estão na linha de frente do combate à covid-19. “Nós queremos saber o que podemos fazer de sacrifício pelo Brasil nessa hora. E não o que o Brasil pode fazer por nós. E as medalhas são dadas após a guerra, não antes da guerra. Nossos heróis não são mercenários. Que história é essa de pedir aumento de salário porque um policial vai à rua exercer a sua função, ou porque um médico vai à rua exercer a sua função?”, questionou o ministro.

Os policiais afirmaram que quem sobe em cadáveres é quem se furta à responsabilidade de enfrentar a grave pandemia que nos atinge, jogando nas costas de quem está na linha de frente a responsabilidade por soluções que os gabinetes refrigerados não encontram.

A postura de Guedes como ministro de Estado também foi alvo de críticas. “De um comandante, espera-se serenidade para enfrentar os problemas, não agressões repetidas. Já fomos chamados de parasitas. Agora, de assaltantes e saqueadores. Não aceitamos os adjetivos, continuou a entidade.

Segundo a entidade, ataques à honra, à credibilidade e à dignidade dos servidores públicos não resolverão o problema de caixa do Governo Federal. “É uma solução fácil, mas indigna, vinda de alguém de quem a sociedade espera atitude de chefe de uma das Pastas mais importantes da Esplanada. Os brasileiros querem uma saída e não ataques gratuitos, seguiu o comunicado.

Os policiais também reafirmaram que diariamente enfrentam bandidos e disseram recusar comparações a eles.

“A Fenapef apela pelo fim das agressões à categoria em nome do mercado financeiro e aguarda uma postura de gestor público, que reconhece a importância e mantém o respeito por todos que compõem sua equipe, os servidores públicos de todo o Brasil”, finalizou a nota.

Congresso cancela recesso parlamentar de julho para enfrentar pandemia

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!