Lewandowski dá cinco dias para CPI explicar adiamento na convocação de Barros

O ministro do Supremo Tribubal Federal (STF) Ricardo Lewandowski  deu o prazo de até cinco dias para o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), se manifestar sobre o adiamento do depoimento do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) à comissão. A CPI aprovou a convocação de Barros na semana passada e o depoimento dele estava previsto para ocorrer nesta quinta (8), mas foi adiado pelos senadores sem que uma nova data fosse estipulada.

Barros é líder do governo Bolsonaro na Câmara. Ele foi citado no depoimento do deputado Luis Miranda (DEM-DF) à CPI. De acordo com Miranda, o presidente Jair Bolsonaro mencionou Ricardo Barros como sendo o intermediador de um suposto esquema na compra superfaturada da vacina indiana Covaxin.

Desde então o deputado tem reclamado nas redes sociais que quer ser ouvido pela comissão e foi ao Supremo pedir um mandado de segurança para que o colegiado mantivesse a data do dia 8. Barros afirmou que tem sido impedido de exercer "ampla defesa" por "abuso de poder" e, de acordo com ele, a comissão ataca sua honra de forma indevida.

Lewandowski foi sorteado nesta segunda-feira (5) para relatar o mandado de segurança apresentado por  Barros.

> CPI da Covid pretende incorporar documentos colhidos na CPMI das Fake News

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

 

JUNTE-SE A NÓS

 

Continuar lendo