Bolsonaro volta a atacar Doria por causa de vacina e o chama de autoritário

O presidente Jair Bolsonaro chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de autoritário em função da disputa em torno da vacina contra a covid-19. “Tem um governador lá [em São Paulo] um tanto quanto autoritário, que até quer dar vacina na marra na galera”, disse ao conversar com apoiadores em frente do Palácio da Alvorada nesta sexta-feira (30). A conversa foi registrada em vídeo por um canal bolsonarista.

As críticas de Bolsonaro a Doria são mais um capítulo da disputa em torno da vacina CoronaVac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo. Enquanto o governador defende a imunização obrigatória, Bolsonaro tem defendido que a vacina seja opcional. Ontem, Doria respondeu às últimas investidas do presidente afirmando que Bolsonaro só pensa em reeleição e pediu para ele parar de me atacar e começar a trabalhar.

O presidente também disse que a pandemia está acabando no país. Está acabando a pandemia. Acho que ele [Doria] quer vacinar o pessoal na marra rapidinho porque [a pandemia] vai acabar e daí ele fala: ‘acabou por causa da minha vacina’. Quem está acabando é o governo dele, com toda certeza”, disparou.

Campanhas feministas ocupam as redes para vencer sub-representação no poder

Apesar do fato de os números da covid-19 estarem em queda na maior parte dos estados do Brasil, a Europa voltou a enfrentar nas últimas semanas uma segunda onda do vírus, que tem levado governos europeus a decretar novamente o lockdown. No Brasil, especialistas alertam que pode haver também uma segunda onda.

Eleições municipais

Sobre o apoio ao candidato à reeleição a prefeito no Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), Bolsonaro disse que o atual prefeito pegou o município cheio de problemas e dívidas e foi muito atacado por uma “rede funerária de televisão”, em referência à Globo, que tem denunciado casos de corrupção na saúde do município. Em setembro, a emissora revelou um esquema com funcionários públicos que faziam plantão na porta dos hospitais municipais do Rio, atrapalhando reportagens e impedindo divulgação de dados.

Nesta manhã, Crivella se encontrou com Bolsonaro no Palácio da Alvorada, ocasião em que gravou vídeos para sua campanha. O encontro não constava na agenda oficial do presidente, mas foi registrado em redes sociais.

Bolsonaro voltou a repetir o que disse ontem em live sobre eleitores indispostos a votar em Crivella. “Você pode ter seu candidato sem problema... Não vamos brigar por causa disso, tá? Se você não quer votar no Crivella, não vamos brigar por causa disso. Você pode encontrar virtudes em outros candidatos, respeito. Mas eu botei na balança entre todos os candidatos ali o que seria melhor para o Rio de Janeiro”, disse. Crivella é do mesmo partido de dois dos filhos políticos de Bolsonaro.

“Eu acho que vai ter segundo turno no Rio, como em São Paulo, e a gente vai ganhar nos dois municípios”, preconizou. Em São Paulo, ele apoia o deputado federal Celso Russomanno, também do Republicanos, contra o candidato de Doria, o atual prefeito Bruno Covas. Citando questões de segurança, Bolsonaro disse que não pode me empenhar mais nas campanhas, sugerindo que as campanhas deem atenção às mídias sociais.

Bolsonaro viajou nesta tarde para o Guarujá, no litoral paulista, onde deve passar o final de semana e o feriado de finados, na próxima segunda-feira (2).

Bolsonaro dá vice-liderança do governo a senador do Centrão

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!