Bolsonaro usa vídeo com fake news em novo ataque a governadores

Horas depois de fazer um discurso em que defendeu "união" e "cooperação", o presidente Jair Bolsonaro compartilhou um vídeo nas redes sociais com críticas aos governadores. Na gravação, um vendedor diz que está na Central de Abastecimento (Ceasa) de Belo Horizonte e atribui o cenário vazio que aparece às suas costas ao desabastecimento provocado, segundo ele, pelas medidas de restrição adotadas no combate ao coronavírus. A informação foi desmentida pela própria Ceasa.

> Em pronunciamento, Bolsonaro baixa o tom e distorce fala do diretor da OMS

Imagens exibidas pela TV Globo também mostram grande movimentação de caminhões no local.  O homem que aparece na gravação culpa os governadores, que defendem o isolamento social como medida mais eficaz de combate ao coronavírus. "Para você que falou, depois do discurso do presidente, que economia não tem importância...Pois é, fome também mata. Fome, desespero, caos, também matam. Não esquece disso, não", afirmou o homem que não se identifica. "A culpa disso aqui é dia governadores, porque o presidente da República está brigando incessantemente para que haja uma paralisação responsável", acrescentou.

> Bolsonaro perde apoio de prefeitos, governadores e de membros do Congresso

Segundo ele, os governadores buscam "ganhar nome e projeção política". "Isso se chama responsabilidade. Tem que ponderar, administrar a crise. É isso que o presidente tem tentado fazer, (ao contrário) de governadores tentando ganhar nome e projeção política, à custa do sofrimento da população."

No tuíte, Bolsonaro diz:

O presidente da Associação Comercial da Ceasa de Contagem, Noé Xavier da Silva, divulgou um vídeo em que contesta o teor do vídeo. Segundo ele, a gravação ocorreu quando a central fazia a limpeza do local. "Este fato não é verdade. O mercado segue firme e abastecido para garantir a alimentação para mais de 400 municípios de Minas Gerais", afirmou.

Veja o vídeo, compartilhado pelo deputado Tiago Mitraud (Novo-MG):


No pronunciamento feito ontem, Bolsonaro distorceu discurso do diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, e, diferentemente do que havia feito semana passada, evitou criticar os governadores. "Agradeço e reafirmo a importância da colaboração e a necessária união de todos num grande pacto pela preservação da vida e dos empregos: parlamento, judiciário, governadores, prefeitos e sociedade", disse.

> Bolsonaro perde apoio de prefeitos, governadores e de membros do Congresso

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!