Raimundo Lira é o mais cotado para substituir Renan

Maior bancada no Senado, o PMDB marcou para a próxima terça-feira a reunião do colegiado para escolher o novo lídr, em substituição a Renan Calheiros (AL), que deixou o posto nesta quarta-feira (28). O nome que surge com maior chance de unificar a bancada é o de Raimundo Lira (PB). "Estou sendo lembrado , mas não estou fazendo gestão", disse o senador. Ao contrário de Renan, Lira apoia o governo e a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência.

 

Renan deixa liderança do PMDB, critica “postura covarde” de Temer e diz que Cunha comanda governo

Se for eleito, como está sendo cotado por vários colegas, Lira tentará coordenar a bancada que está claramente divida. O grupo liderado por Renan é contra, por exemplo, a aprovação do projeto de reforma trabalhista. O senador Eduardo Braga (AM), do grupo de Renan, apresentou voto em separado na Comissão de Constituição e Justiça propondo um texto alternativo ao proposto pelo relator do tema no colegiado, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES).  O PMDB do Senado repete a história da legenda desde a redemocratização, com um pé dentro e outro fora do governo.

Renan deixou o governo Temer no auge da crise politica, como fez quando era líder do governo Fernando Collor na Câmara, lá na longínqua década de 1990. Deixa o posto com um discurso para seus eleitores de Alagoas. Se diz em defesa dos aposentados e trabalhadores, por isso é contra as reformas previdenciária e trabalhista, e mira na releição no pleito de 2018. Dele próprio e do filho Renan, governador de Alagoas.

Uma pesquisa recente que o senador encomendou no Estado revelou que 72% do eleitorado recomendou que ele deixasse o governo. Portanto, Renan sai do cargo, rompe formalmente com o governo e cai nos braços do eleitor oposicionista.

A crise partidária é grave, mas não haverá desfiliação de Renan ou de outros dissidentes. Como diz o experiente senador Jáder Barbalho (PMDB-PA), cabe no partido tanto Renan quanto Temer, como uma reafirmação de que o maior partido do país é uma federação de pequenas legendas estaduais que usam a mesma sigla. Renan deixa a liderança e forma um grupo dissidente, com a presença de nomes como Eduardo Braga (AM), Kátia Abreu (TO) e Hélio José (DF), por exemplo.

Temer governa o país com presidiário de Curitiba, diz Renan em plenário; veja o vídeo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!