STF determina sequestro de R$ 4,2 milhões de Benedito e Arthur Lira

Decisão de Teori Zavascki considera depoimentos do dono da UTC na Lava Jato. Deputado teria pedido R$ 1 milhão para manter “portas abertas” na Petrobras para a empresa

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou o sequestro de R$ 4,2 milhões em bens do senador Benedito de Lira (PP-AL) e de seu filho, o deputado Arthur Lira (PP-AL), presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Por terem foro privilegiado, ambos são investigados no STF por suspeita de envolvimento com o esquema de corrupção instalado na Petrobras e descoberto pela Operação Lava Jato.

Segundo o despacho de sequestro assinado pelo ministro do STF Teori Zavascki, o bloqueio atinge R$ 2,6 milhões do deputado e R$ 1,6 milhão do senador. Relator da Lava Jato, Teori formalizou a decisão por solicitação da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Polícia Federal (PF). O ministro se baseou em informações colhidas na delação premiada firmada pelo dono da UTC, Ricardo Pessoa, com o Ministério Público.

Segundo o empreiteiro, Arthur Lira se valeu de sua posição política para exigir de Pessoa R$ 1 milhão em doações de campanha, como condição para que as “portas” da Petrobras continuassem “abertas” para a UTC. Segundo o empresário, considerado um dos principais delatores da Lava Jato, as cobranças do deputado foram “bastante contundentes”.

Ao expedir a determinação de sequestro, Teori encaminhou comunicado ao Banco Central para que as devidas providências sejam tomadas no sentido da indisponibilidade dos bens. O ministro esclareceu ainda que o valor a ser sequestrado é menor no caso de Benedito de Lira porque, nos autos da investigação, não há evidências de que ele tenha se beneficiado da propina pedida por seu filho à UTC.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!