Stepan recita poema para negar propina de Cachoeira

Ex-ator da Globo, deputado quer saber "de onde veio essa história de propina"

O deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ) subiu à tribuna da Câmara para se defender das acusações de que recebia propina do contraventor Carlinhos Cachoeira, preso desde fevereiro sob acusação de liderar organização criminosa, com participação de agentes públicos e privados, e pivô de comissão de inquérito em curso no Congresso. Diante de menos de dez deputados na esvaziada sessão plenária desta quinta-feira (17), Stepan recorreu à poética como contraponto à mazela política e se emocionou ao ler o poema “Se”, do escritor indiano de origem britânica Rudyard Kipling.

Outros destaques de hoje no Congresso em Foco

“Se és capaz de manter tua calma, quando todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa; de crer em ti quando estão todos duvidando [...] Se és capaz de entre a plebe não te corromperes e, entre reis, não perder a naturalidade; e de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes, se a todos podes ser de alguma utilidade; [...] Tu és a Terra com tudo o que existe no mundo, e – o que ainda é muito mais – és um homem, meu filho”, recitou o deputado, que admitiu ter recebido de Cachoeira empréstimo de R$ 160 mil, para a compra de um apartamento, e um convite de R$ 19 mil para camarote no sambódromo do Rio de Janeiro.

Alegando ser apenas amigo de Cachoeira “há 20 anos”, o deputado de primeiro mandato contesta informações recentemente veiculadas em 26 de abril pelo jornal O Estado de S. Paulo, segundo as quais um grampo autorizado da Polícia Federal o cita como beneficiário de propina paga pelo contraventor. Segundo a reportagem, capítulo de relatório da PF intitulado “Transações financeiras”, referente a escuta telefônica registrada em 17 de junho de 2011, demonstra que Stepan pergunta ao deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) se ele havia entregado a Cachoeira “carta que ele [Stepan] mandou”. “Falam de dinheiro que Stepan pediu a Cachoeira”, descreve a PF, segundo a reportagem do Estadão.

Ao descer da tribuna, o deputado falou rapidamente à imprensa e indagou: “Eu gostaria de saber de onde veio esta história de propina. Propina é um negócio combinado, é dinheiro de fonte constante”, declarou Stepan, ex-ator da Rede Globo.

Além de Stepan e Leréia, a chamada CPI do Cachoeira, em funcionamento desde 25 de abril, investiga a participação de diversos outros políticos (deputados, senadores, governadores, vereadores) com a organização criminosa de Cachoeira, baseada em Goiás e com a exploração do jogo ilegal e fraudes em licitações como atividades principais. Estão entre os suspeitos o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) e os governadores Marconi Perillo (Goiás), Agnelo Queiroz (Distrito Federal) e Sérgio Cabral (Rio de Janeiro) – embora um acerto costurado entre governo e oposição, como o jornal Folha de S.Paulo revelou na edição de hoje (quinta, 17), tenha o objetivo de esvaziar as investigações sobre os gestores estaduais.

Saiba mais sobre o caso Cachoeira

Clique aqui e conheça o poema de Kipling, ao som de Chopin

Conheça o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!