Réu do mensalão tucano, senador de MG renuncia ao mandato

Acusado de participação no suposto esquema conhecido como "mensalão mineiro", Clésio Andrade alegou problema de saúde. Vai ser substituído pelo ex-deputado Antônio Aureliano de Mendonça

O senador Clésio Andrade (PMDB-MG) renunciou, nesta terça-feira (15), ao mandato parlamentar. Como justificativa para a decisão, o político mineiro informou que enfrenta problema de saúde. Disse que optou pela renúncia porque causaria prejuízo ao erário público se apenas tirasse licença do cargo. O mandato terminaria em 31 de janeiro de 2015.

O parlamentar disse que precisa se submeter a uma cirurgia devido a um grave problema ósseo e que sua recuperação  se estenderá por pelo menos 120 dias. Anexou laudo médico à carta de renúncia.

Clésio Andrade assumiu o posto no Senado em janeiro de 2011, após a morte de Eliseu Resende (DEM-MG), de quem era primeiro suplente.

Filho do ex-vice-presidente da República Aureliano Chaves e ex-deputado federal, Antônio Aureliano Sanches de Mendonça (PSDB-MG) vai assumir a vaga aberta com a saída de Clésio, que é alvo de processo referente ao caso conhecido como “mensalão mineiro” e "mensalão tucano". Com a renúncia, ele fica sem foro perante o Supremo Tribunal Federal e provavelmente responderá na Justiça comum.

O "mensalão mineiro" teria sido um esquema de desvio de recursos públicos e financiamento ilegal na fracassada campanha pela reeleição do então governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998. Clésio era candidato a vice na chapa encabeçada por Azeredo.

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!