Relator recomenda mais R$ 21,1 bilhões ao orçamento 2015

Caso o relatório de Paulo Pimenta seja aprovado, a receita primária da União será elevada de R$ 1,45 trilhão para R$ 1,47 trilhão. R$ 2,5 bilhões desse acréscimo serão repassados a estados e municípios

Relator de receita do orçamento 2015, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) apresentou à Comissão Mista de Orçamento (CMO) um parecer com reestimativa de receita primária para 2015, com acréscimo de R$ 21,2 bilhões à proposta original. Caso o relatório do petista seja aprovado, a receita primária da União – total das receitas orçamentárias, já consideradas as deduções das diversas operações financeiras – será elevada de R$ 1,45 trilhão para R$ 1,47 trilhão.

De acordo com o parecer, R$ 2,5 bilhões desse acréscimo serão repassados a estados e municípios, em observância à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Descontado esse repasse, o governo federal passa a dispor de acréscimo de R$ 18,7 bilhões em suas receitas. Esse montante extra será empregado pelo relator-geral do orçamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), no atendimento a demandas como o repasse de recursos para emendas parlamentares.

O relatório deve ser submetido à votação na próxima terça-feira (25), quando a CMO volta a se reunir depois da derrota imposta, hoje (terça, 19), ao governo pela oposição. Na reunião da CMO na tarde desta quarta-feira (19), falhou a articulação governista para aprovar a alteração do limite da meta fiscal de 2014. Por três votos, a base aliada não conseguiu fazer valer sua maioria e acabou derrotada, na tentativa de aprovar a matéria sem a necessidade do intervalo de dois dias úteis entre a leitura e a votação do parecer.

Governo sofre derrota na votação da meta fiscal

Renan cancela sessão da CMO que mudou meta fiscal

Com tumulto, comissão aprova mudança em superavit

Mais sobre orçamento

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!