Relator, Delgado diz que processo contra Vargas deve continuar

André Vargas é suspeito de envolvimento com doleiro em negócios ilícitos

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) foi escolhido nesta quarta-feira (9) relator do processo instaurado hoje no conselho de ética e decoro parlamentar contra o deputado André Vargas (PT-PR). O petista está licenciado do mandato desde segunda-feira (7).

Delgado disse que vai apresentar seu relatório preliminar o mais rápido possível, possivelmente na terça feira (22) depois do feriado da semana santa. Ele adiantou que vai sugerir a admissibilidade da investigação e que o processo disciplinar deve continuar.

Delgado ressaltou ainda que André Vargas terá todo o direito de defesa, mas que terá que esclarecer as suspeitas. O PSDB, DEM e o PPS, em representação, pedem a investigação de denúncias de ligação entre Vargas e o doleiro Alberto Youssef, preso em operação da Polícia Federal contra a lavagem de dinheiro.

Com a instalação do processo, o parlamentar, em caso de condenação pelo conselho em processo de cassação, perderá o direito de se candidatar a novos cargos eletivos pelos próximos oito anos. Mesmo que Vargas apresente um pedido de renúncia do mandato, esse pedido não terá efeitos jurídicos até o final do processo no conselho de ética.

O relatório preliminar para avaliar a admissibilidade do caso vai ser feito somente com base na representação, sem necessidade de ouvir testemunhas nessa fase. O prazo para o processo é de 90 dias. Aprovada a admissibilidade, deverão ser ouvidas testemunhas e requeridos documentos da Polícia Federal e do Ministério Público. (Com Agência Câmara)

Leia mais sobre André Vargas

Outros textos sobre a Operação Lava-Jato

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!