PF reforça suspeita sobre Renan, Jader, Raupp e Jucá

Polícia Federal aponta indícios de que PMDB e os quatro senadores receberam propina disfarçada de doações legais de empresas do consórcio que construiu usina de Belo Monte

A Polícia Federal tem indícios de que o PMDB e quatro senadores peemedebistas – Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA), Valdir Raupp (RO) e Romero Jucá (RR) – receberam propina disfarçada de doações legais de empresas que construíram a usina de Belo Monte, no Pará. As informações constam de inquérito em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF) ao qual a Folha de S.Paulo teve acesso.

De acordo com o documento, um desses indícios é o volume de contribuições que o partido recebeu das empreiteiras que integram o consórcio que construiu a hidrelétrica: R$ 159,2 milhões nas eleições de 2010, 2012 e 2014. Os recursos foram repassados por nove empresas para os diretórios nacional e estaduais do partido e comitês financeiros do PMDB.

 

O montante representa mais que o dobro dos R$ 65 milhões doados oficialmente pelas principais empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato à campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2014.

Em delação premiada, o ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo disse que o consórcio que fez a obra da usina pagou suborno de 1% sobre o valor do contrato, de R$ 13,4 bilhões. Ou seja, R$ 134 milhões. Outro delator, Flávio Barra, da AG Energia, contou que boa parte da propina foi paga por meio de doações oficiais a partidos.

O ex-líder do governo no Senado Delcídio do Amaral (MS) declarou, em depoimento à Polícia Federal, que Renan, Raupp, Jader e Jucá comandavam o esquema de desvios de empresas do setor elétrico. Na época, o ministro de Minas e Energia era o também senador Edison Lobão (PMDB-MA), indicado pelo PMDB. O inquérito aponta que os quatro parlamentares citados por Delcídio receberam as maiores contribuições de suas campanhas não de empresas, mas do PMDB.

De acordo com a Folha de S.Paulo, no caso de Renan Calheiros, a conclusão da análise da PF é que as contribuições vindas do partido equivalem a 97,3% do total arrecadado quando ele se candidatou a senador em 2010. A assessoria de Renan informa que todas as doações que ele recebeu são legais e foram declaradas à Justiça.

O PMDB e os senadores citados no relatório da Polícia Federal negam ter recebido suborno por meio de doações oficiais. "O PMDB sempre arrecadou recursos seguindo os parâmetros legais em vigência no país. Doações de empresas eram permitidas e perfeitamente de acordo com as normas da Justiça Eleitoral", afirma o partido, em nota.

Leia a íntegra da reportagem na Folha de S.Paulo

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!