Petistas e tucanos batem boca no depoimento de Perillo

Discussão começou quando relator da CPMI tratou o governador de Goiás como investigado ao invés de testemunha. Tucanos reagiram e subiram o tom na sessão

Após aproximadamente sete horas de depoimento do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o tom entre os integrantes da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira subiu. A discussão começou após o relator da comissão, deputado Odair Cunha (PT-MG), chamar o tucano de "investigado", o que provocou imediata reação dos parlamentares do PSDB presentes à sessão. Ele, assim como o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), foram convocados pela CPMI na condição de testemunhas.

Tudo sobre a CPI do Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

A sessão da CPMI que ouve o governador de Goiás desde às 10h30 começou com Perillo fazendo uma explanação por mais de uma hora. Depois, ele foi questionado pelo relator da comissão. Após esse período, foi aberto para perguntas dos outros integrantes. No entanto, Odair Cunha pediu a palavra para fazer novas indagações a Perillo. Em determinado momento, ele sugeriu ao tucano, na condução de investigado, abrir seus sigilos telefônico e de SMS.

Relator diz que Perillo sabia das atividades de Cachoeira
Na CPMI, Perillo rejeita proximidade com Carlos Cachoeira

Ao usar o termo "investigado" e não "testemunha", Cunha atraiu a indignação dos tucanos. No fim de maio, a CPMI adiou a votação de um requerimento quebrando o sigilo de Perillo e de três deputados acusados de ligação com Carlinhos Cachoeira. Hoje, o líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), informou que o partido vai apresentar um novo requerimento solicitando os dados do governador.

"O governador Marconi Perillo é, sim, investigado", disparou Cunha. Os tucanos presentes na comissão reagiram imediatamente. O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) disse que o petista ignora a diferença entre testemunha e investigado. "O relator não sabe a diferença entre investigado e testemunha", disparou o tucano. O presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), teve que atuar para acalmar os ânimos da sessão, até então tranquilos. E acabou corrigindo Odair Cunha.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!