Pedido de auditoria feito pelo PSDB não é sério, diz corregedor

Ministro João Otávio Noronha, do TSE, afirma que tucanos prejudicam a imagem do processo eleitoral e democrático do país ao apresentarem pedido sem qualquer fundamento nos fatos

O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro João Otávio de Noronha, disse que falta “seriedade” ao pedido do PSDB para a realização de uma auditoria especial no resultado da eleição presidencial. Para o ministro, os tucanos não apresentaram fatos que justifiquem a criação de uma comissão para investigar a apuração. Em entrevista aos jornais Folha de S. Paulo e O Globo, João Otávio afirmou que a iniciativa dos tucanos arranha a imagem do processo eleitoral e democrático do país e enfraquece a oposição, apesar de sua votação expressiva nas urnas.

"O problema é que não estão colocando em xeque uma ou duas urnas, mas o processo eleitoral. É incabível. Se você colocar em xeque o sistema eleitoral, aponte o fato concreto que vamos apurar", cobrou o corregedor em entrevista à Folha.

O corregedor afirmou que o Brasil não é a Venezuela ou a Bolívia e que não acredita que o pedido tenha partido do candidato derrotado, Aécio Neves (PSDB). “Não somos a Venezuela, a Bolívia. O Brasil é um país democrático e temos uma Justiça Eleitoral democrática. Não acredito que o Aécio esteja por trás disso. É muito negativo para a imagem do processo eleitoral e para o processo democrático. Estão questionando o próprio processo, ao insinuar que ele está viciado. Sou corregedor: que me apontem o erro, os vícios”, criticou, em declaração ao Globo.

O pedido de auditoria especial foi apresentado na última quinta-feira (30) pelo coordenador-jurídico da campanha de Aécio, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP). O tucano alega que a iniciativa se justifica devido à quantidade de dúvidas que teriam sido suscitadas, “sobretudo nas redes sociais”, quanto à lisura do processo eleitoral.

Líder do PSDB na Câmara em 2013, Carlos Sampaio ressaltou que a iniciativa da petição “nada ter a ver com pedido de recontagem ou questionamento do resultado”. “Trata-se de pedido de auditoria no sistema, com o acompanhamento do TSE e de técnicos indicados pelos partidos, para evitar que esse sentimento de que houve fraude continue a ser alimentado nas redes sociais, sem que alguém tome uma atitude para esclarecer os fatos”, escreveu o deputado.

Mais sobre eleições 2014

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!