Parlamentares pró-impeachment exigem ministérios

Tamanho de cada bancada de deputados e senadores será critério para ocupação de cargos na Esplanada, de postos de segundo escalão e de diretorias de estatais em eventual governo Temer

O Senado ainda não decidiu se abre ou não o processo de impeachment admitido pela Câmara contra a presidente Dilma Rousseff, por crime de responsabilidade. A despeito da indefinição, as bancadas de deputados e senadores que apoiam o impedimento da chefe do Executivo e a posse definitiva do vice-presidente da República, Michel Temer, já tratam abertamente da ocupação dos milhares de cargos federais espalhados pelo país. Por enquanto, a briga é pelo comando dos ministérios – e, no meio do xadrez partidário, com direito a um critério pouco republicano na distribuição das vagas: quanto maior for a bancada na Câmara e no Senado, mais cargos terá o partido que vai compor a nova base de apoio parlamentar.

Com 67 deputados, o PMDB tem a maior bancada da maior da Câmara e não abre mão de ocupar ao menos dois ministérios. Um para agradar a ala que defendeu o impeachment da presidente –conhecida como “Talibãs” em razão do seu radicalismo de oposição ao Planalto – e outro para o grupo que defendia a tese da permanência no governo. Os deputados querem manter um colega de bancada como ministro da pasta no lugar de Marcelo Castro (PI), que retornou à Câmara e votou contra o impeachment.

Mas o cargo de ministro só não basta. Os parlamentares desejam preservar o critério de que o partido que dirige a pasta também indica os ocupantes no segundo escalão e nas diretorias de hospitais e outras unidades ligadas ao ministério em questão. O secretário do Ministério da Saúde Alberto Beltrame, por exemplo, está no posto graças à indicação dos deputados do PMDB do Rio de Janeiro. O mesmo acontece com o secretário-executivo da pasta, José Agenor Álvares da Silva, o segundo cargo mais importante na hierarquia do ministério, indicação da bancada mineira do partido.

Já o secretário de Saúde Indígena, Rodrigo Sérgio Garcia Rodrigues, também é apadrinhado, só que pelos peemedebistas do Mato Grosso. Toda a estrutura de segundo escalão do ministério é ocupada por indicados do partido. “Nós precisamos responsabilizar o partido que ocupar o ministério pela gerencia e a qualidade do serviço prestado à população”, disse o deputado Carlos Marum (MT), um dos principais defensores do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – não por acaso, Cunha é o primeiro na linha sucessória de Temer, em caso de posse. Ele defende que cada sigla que for escalada para gerir um ministério deve ocupar os cargos com seus representantes, para que sejam cobrados e responsabilizados pelo fracasso ou laureados pelo sucesso da eventual gestão.

Precaução

A bancada de deputados do PMDB não quer repetir a experiência do ex-ministro do Turismo Gastão Vieira. Ele ocupou o cargo no primeiro mandato de Dilma, mas não se sentia representante dos colegas da Câmara e alegava ser apadrinhado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), e pelo vice Michel Temer.

A ocupação dos ministérios com o critério de “porteira fechada” deve se repetir em todas as pastas a serem ocupadas por representantes do PMDB e de outras legendas que já anunciaram apoio a Temer. Essa verticalização na ocupação dos cargos é defendida pela direção do partido para as demais pastas que a legenda pretende ocupar.

Os deputados do PMDB já dão como certo que os ex-ministros Geddel Vieira Lima, Moreira Franco e Eliseu Padilha formarão o chamado núcleo duro do Planalto na gestão Temer. Mas não são considerados cota das bancadas no Congresso, e sim da cota pessoal do vice presidente.

Outro amigo de Temer e hoje um dos seus assessores mais próximos, o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves também deve retornar à Esplanada. Primeiro ministro do PMDB a deixar o governo Dilma, ele vai receber de volta uma pasta turbinada com direito a fusão com outra. Uma possibilidade é o Ministério dos Esportes. O novo nome do ministério deverá ser Esporte e Turismo, com prioridade para a organização das Olimpíadas.

Braço direito

O ex-ministro Moreira Franco vai continuar como um dos principais assessores de Temer caso o Senado aprove o afastamento da presidente. Ele tem dito a amigos que não deseja participar do primeiro escalão do novo governo, e sugere que pode ocupar um cargo para tratar da formatação de um programa de privatizações e de concessões públicas. Além desses nomes, o senador e presidente interino do partido, Romero Jucá (RR), está cotado para o ministério do Planejamento.

Mas, nesse caso, o aprofundamento da Operação Lava Jato pode impedir a ida do senador para o governo. Se isso ocorrer, ele será substituído por alguém com menos telhado de vidro. Jucá seria um homem de confiança do Temer na equipe econômica, que deve contar com o ex-presidente do Banco Central durante os oito anos do governo Lula (2003-2010), Henrique Meirelles.

Neogovernistas

A dificuldade de Temer para compor o ministério aumenta com a incorporação do Democratas à sua possível base de apoio parlamentar. O DEM está cotado para indicar o novo ministro de Minas e Energia, mas o PMDB não aceita abrir mão do posto. O nome do DEM para o cargo é o do deputado José Carlos Aleluia (BA), ex-presidente da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf). O DEM quer dois ministérios e o vice estuda entregar o ministério das Comunicações ao deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Nas negociações com Temer, o PRB sonha com o ministério da Agricultura e o PSD quer manter Gilberto Kassab na pasta das Cidades. Kassab foi contra o impeachment e só deixou o cargo depois que a bancada de deputados decidiu votar em peso pelo afastamento de Dilma Rousseff.

No PTB a situação é a mesma. A direção da legenda aguarda a oferta de Temer para barganhar e almeja um posto no primeiro escalão da Esplanada.

Quase lá

O Partido Progressista também está com um pé no governo Temer, depois de ter sido aliado do PT desde o governo Lula. A direção da legenda tinha recebido a oferta de ocupar o Ministério da Saúde e suas centenas de cargos para votar contra o impeachment de Dilma na Câmara. Mas, no dia da votação, optou pelo afastamento da presidente. Agora, negocia com Temer a mesma pasta oferecida por Dilma e estuda o deslocamento do PMDB para outro ministério, com o mesmo número de cargos ou com orçamento atrativo. O PP deve ficar com duas pastas, um deles o da Integração.

Temer também está negociando e já reservou duas vagas no ministério para entregar ao PSDB. Um dos nomes mais cotados no tucanato é o do senador José Serra (SP), que poderia ir para o Ministério das Relações Exteriores ou para a pasta da Educação. Outro tucano no Senado é cogitado para comandar uma segunda pasta, Aloysio Nunes Ferreira (SP), candidato derrotado a vice na chapa de Aécio Neves (PSDB-MG), nas eleições de 2014. “Devemos participar da gestão do novo governo para colaborar com a recuperação do país”, afirma Serra.

Legendas com bancadas menores, como o PPS, PV e o PSB, mas que também votaram majoritariamente pelo impeachment da presidente, também têm sido ouvidas por Temer e vão receber ofertas de cargos. Mas, em razão da redução do número de ministérios, devem ocupar postos em autarquias, fundações, estatais e até mesmos funções no segundo escalão de ministérios.

A equipe ministerial definitiva só será anunciada se o Senado afastar Dilma Rousseff, obviamente. E Temer só tem uma certeza: estarão fora do governo o PT, legenda da presidente, o PDT, o PCdoB e o PSol, que foram contra a abertura do processo de impeachment na Câmara.

Mais sobre impeachment

Mais sobre Michel Temer

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!