Para deputado, mudança nos tetos faz justiça a servidores

Autor da emenda que permite acúmulo de salário e aposentadoria, além de fim da vinculação de remuneração de servidores estaduais e municipais, João Dado diz que mudança garante isonomia entre funcionários

O deputado João Dado (PDT-SP) é autor da emenda que elimina o subteto, estabelecendo-se um limite nacional para todos os servidores públicos, inclusive autoridades, e permite o acúmulo de aposentadoria e salários acima do atual teto constitucional. Para ele, as mudanças são “questão de justiça”. Agente fiscal de rendas, Dado lembra que o “teto único” já esteve em vigência durante cinco anos e meio, entre 1998 e 2003, e que é hora de retomá-lo.

“Queremos retornar a essa norma de isonomia de tetos. Vejamos: se alguém trabalhar e não receber nada, é trabalho escravo, e a Constituição veda isso. Ou o Estado está se locupletando, praticando um estelionato contra aquele que pagou por sua Previdência a vida toda”, disse o pedetista, convidando a reportagem para um exercício de imaginação.

“Vamos supor, por hipótese: eu estou no teto salarial. Aposento – sou servidor público, paguei [imposto] a vida toda, me aposentei com 35 anos de serviço, e começo a receber a minha aposentadoria. Muito bem. Eu posso ficar pescando, tomando sorvete na beira da praia. Ou, então, posso vir a servir o país como deputado. Nada mais lógico, justo e isonômico que eu receba o meu subsídio como deputado, receba a minha aposentadoria pela qual paguei a vida toda”, acrescenta.

“Aspecto ideológico”

Para justificar a queda do subteto, João Dado cita entendimento do próprio STF acerca do assunto. “A questão é de Justiça. A norma atual está injusta sob o aspecto ideológico, porque alguém que pagou pela aposentadoria a vida toda tem direito a receber – e isso é uma jurisprudência pacificada no Supremo Tribunal Federal. O que disse o Supremo? Disse que contribuição previdenciária tem um caráter ‘contraprestacional’ obrigatório. Ou seja: você paga, o Estado recebe durante 30 ou 35 anos de sua vida laborativa. Ao final desse período, o Estado é obrigado a ‘contraprestacionar’ aquele seu pagamento, aquela sua contribuição. É contra essa injustiça que nós estamos nos insurgindo”, declarou o deputado, lembrando que a comissão especial deu apoio unânime à sua emenda.

João Dado diz que a opinião pública, ao ser adequadamente informada sobre a jurisprudência do STF, não rejeitará a possibilidade acúmulo salarial. “Eu penso que a opinião pública poderá ser levada a entender que isso é uma injustiça, quando na realidade é uma justiça, é um critério de justiça. Na atividade laborativa, hoje é tudo somado para ser submetido a um teto salarial. Pela nova norma, remunerações extras deixariam de ser cumulativas por uma questão de justiça. Se você explicar isso, eu penso que a opinião pública seria amplamente favorável”, diz o parlamentar, lembrando ter votado a favor do fim dos 14º e 15º salários parlamentares, com manifestação pela extinção do benefício feita anteriormente à votação em plenário.

Veja ainda:

Câmara prepara PEC da Bondade para funcionalismo
Relator discorda de mudança no teto e remete decisão ao plenário

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!