Palocci: grandes negócios e complicações

Com superpoderes na Fazenda e na Casa Civil, Palocci entregou os dois cargos em meio a denúncias. Em quatro anos, seu patrimônio cresceu 20 vezes, segundo ele, por causa de consultorias. Está preso desde setembro em Curitiba

Ao assumir a chefia da Casa Civil de Dilma, Antonio Palocci retomou o posto de ministro todo-poderoso que havia perdido no governo Lula, quando foi apeado da Fazenda em meio a denúncias. Em 2006, o ex-prefeito de Ribeirão Preto e ex-coordenador da campanha presidencial de Lula foi acusado de ter mandado violar o sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa. Dias antes, o caseiro havia afirmado à CPI dos Bingos que vira Palocci em uma mansão alugada em Brasília por seus ex-assessores em Ribeirão para a prática de lobby e outros negócios suspeitos, além de festas com prostitutas. Também pesavam contra ele denúncias de corrupção em sua gestão como prefeito.

 

Naquela época, Palocci desfrutava de prestígio até entre a oposição. Com a queda de Dirceu, em 2005, virara o mais cotado para suceder Lula como candidato do PT. Mas, seis meses após ter se acomodado na Casa Civil, o petista voltou a deixar o governo pela porta dos fundos. Dessa vez, acusado de ter aumentado seu patrimônio em 20 vezes, entre 2006 e 2010. O aumento, segundo ele, tinha sido motivado por consultorias sobre as quais não poderia, por questão contratual, detalhar. Somente em 2010, de acordo com a Folha de S.Paulo, Palocci recebeu R$ 20 milhões por meio da Projeto, sua empresa de consultoria.

Prisão

Reportagens publicadas na época relatavam que o petista havia feito negócios com empresas públicas e que um de seus clientes tinha sido beneficiado em uma operação de restituição de Imposto de Renda em 2006, quando ele comandava a Fazenda. O pior para Palocci, no entanto, ainda estava por vir: ele está preso em Curitiba desde setembro do ano passado. O ex-deputado e ex-ministro é réu na Operação Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro.

De acordo com os autos da Omertà, 35ª etapa da Lava Jato, o ex-ministro “estabeleceu com altos executivos da Odebrecht um amplo e permanente esquema de corrupção destinado a assegurar o atendimento aos interesses do grupo empresarial na alta cúpula do governo federal”, entre 2006 e 2015.

Segundo a denúncia aceita pelo juiz Sérgio Moro, a interferência de Palocci se dava mediante o pagamento de propina, destinada majoritariamente ao PT. Os procuradores sustentam que ele atuou em favor da empreiteira no exercício dos cargos de deputado federal, ministro da Casa Civil e membro do Conselho de Administração da Petrobras. Os investigadores ainda apontam Palocci como o “Italiano” que aparece em planilhas e outros documentos relacionados ao pagamento de propina da Odebrecht. O ex-ministro também está na mira de outras duas operações da PF: a Zelotes e a Acrônimo.

Ele nega todas as acusações.

“Maldição” persegue nove ministros da Casa Civil

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!