Oposição pede quebra de sigilos bancário e fiscal do Instituto Lula

Laudos da Polícia Federal anexados nos autos da Operação Lava Jato apontam que a Camargo Corrêa, investigada por desvios de recursos na Petrobras, repassou R$ 3 milhões para o Instituto Lula e mais R$ 1,5 milhão para a LILS Palestras Eventos e Publicidade

A deputada federal Eliziane Gama (PPS-MA) apresentou, nesta quarta-feira (10), dois requerimentos que pedem o acesso da CPI da Petrobras aos sigilos bancário, fiscal e telefônico tanto do Instituto Lula, quanto da empresa do ex-presidente Lula, a LILS Palestra Eventos e Publicidade.

Laudos da Polícia Federal anexados nos autos da Operação Lava Jato apontam que a Camargo Corrêa, investigada por desvios de recursos na Petrobras, repassou R$ 3 milhões para o Instituto Lula e mais R$ 1,5 milhão para a LILS Palestras Eventos e Publicidade. Os pagamentos ocorreram entre os anos de 2011 e 2013.

É a primeira vez que a força-tarefa da Lava Jato identifica uma ligação entre o petista e as empresas suspeitas de participação no esquema de corrupção da Petrobras. Apesar disso, Lula ainda não é alvo da apuração policial.

Eliziane, que já havia pedido a convocação de Lula, afirma que é hora de a Comissão Parlamentar de Inquérito investigar eventuais relações do ex-presidente com o esquema de corrupção descoberto pela Lava Jato.

“Temos aqui a oportunidade de avançar nas investigações: seja na imediata convocação de investigados para uma acareação, seja na quebra de sigilos de políticos como Dirceu, Palocci e Lula. Aliás, poderíamos começar por convocar o ex-presidente da República que deve muita explicação a esta Casa”, justificou a deputada do PPS. A deputada também se diz favorável à convocação do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto.

 

Saiba mais sobre a CPI da Petrobras

Continuar lendo