Nos jornais: sem aliança com PT, PMDB pode apoiar Campos

Estremecimento da relação entre os partidos no Congresso contamina formação de palanques estaduais, informa O Estado de S. Paulo. Já O Globo traz entrevista com o governador do Rio, Sérgio Cabral, que garante: "Meu apoio a Dilma é total"

O Estado de S. Paulo

Sem aliança com PT, PMDB pode apoiar Campos

O estremecimento da relação entre PT e PMDB no Congresso reflete e contamina a formação de palanques estaduais que darão sustentação ao projeto de reeleição da presidente Dilma Rousseff. Apesar da entrada do vice-presidente Michel Temer (PMDB) e da própria petista na costura de alianças regionais para 2014, peemedebistas resistem a se aliar ao PT em Estados estratégicos e ameaçam se coligar com o PSB, do governador de Pernambuco Eduardo Campos, provável candidato à Presidência.

Em Estados onde a situação azedou, o PMDB já usa a aproximação com Campos como uma forma de emparedar o PT. O discurso em favor do pernambucano passou a funcionar como ferramenta de pressão contra os petistas, com um único objetivo: obter condições mais favoráveis de negociação nos Estados.

Divórcio iminente nos maiores colégios eleitorais

As rusgas do PT com o PMDB em São Paulo e Rio, primeiro e terceiro maiores colégios eleitorais do País, respectivamente, são emblemáticas sobre os problemas da aliança. Os peemedebistas vão deixar o PT de lado e lançar candidato próprio em São Paulo. No Rio, o partido ameaça fechar suas portas para a campanha de Dilma caso o PT lance a candidatura de um adversário ao sucessor do governador Sérgio Cabral, o vice-governador Luiz Fernando Pezão.

Palanques duplos podem ser a senha para armistício

Apesar das crises que se desenham em Estados como Bahia Rio e Rio Grande do Sul, os peemedebistas manobram para salvar a aliança com o PT em outros locais - seja com a construção de uma candidatura única ou com a montagem de um palanque duplo na base da presidente Dilma Rousseff.

Onde houver disputas entre PT e PMDB, o objetivo é evitar que a divisão local "contamine" a reeleição de Dilma. "Eu vejo com naturalidade as disputas regionais, mas trabalhamos para que elas não contaminem a aliança presidencial e a própria base parlamentar do governo federal", diz o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que pode disputar o governo de Roraima contra a petista Ângela Portela, em ambiente favorável para Dilma.

Morte de índio alerta União sobre conflitos

Preocupada com a repercussão do assassinato de uma liderança indígena em Mato Grosso do Sul na quinta-feira, a presidente Dilma Rousseff convocou ontem reunião de emergência no Palácio da Alvorada para analisar a situação. Orientada pelo Planalto, a Funai divulgou nota à noite em que diz "lamentar a falta de diálogo" e a reintegração de posse das Fazendas Cambará e Buriti, na zona rural do município de Sídrolândia.

Demarcações provocam conflitos em outras 212 regiões do País

Sidrolândia, em Mato Grosso do Sul, é apenas um entre muitos focos de tensão existentes no País em torno da demarcação de terras indígenas. Um levantamento concluído há pouco pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) aponta 212 áreas rurais cujos moradores enfrentam esse tipo de conflito, que opõe índios a produtores rurais, madeireiros, posseiros e outros grupos cujas atividades estão ligadas à posse da terra.

PSDB pede à PF inquérito sobre o caso Bolsa Família

A liderança do PSDB na Câmara dos Deputados entrou ontem com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo investigação sobre eventuais irregularidades e possível improbidade administrativa de autoridades do governo federal no episódio envolvendo os boatos sobre o fim do programa Bolsa Família, ocorridos nos dias 18 e 19 de maio. Os falsos boatos provocaram uma corrida às agências da Caixa Econômica Federal em 13 Estados, sobretudo no Nordeste. A Caixa é a responsável por fazer os repasses do programa.

BC age, mas dólar atinge o maior valor em 4 anos

O dólar alcançou ontem sua maior cotação em relação ao real em quatro anos, apesar das tentativas do Banco Central (BC) de intervir no mercado» Com a alta de 1,75% de ontem, o dólar fechou a R$ 2,1470. Desde o início de maio, o dólar se valorizou em 7,24%.

A alta do dólar é um movimen to internacional. Com a gradual recuperação da economia americana, investidores avaliam que o Fed (banco central dos Estados Unidos) vai retirar os estímulos monetários. Assim, deve reduzir a oferta de dólares no mercado internacional, pressionando as cotações da moeda americana para cima.

Nos últimos dias, o dólar tem se valorizando em relação a moedas de países emergentes. Atéontem, o BC não havia resistido à tendência internacional. Não havia feito intervenção no mercado, apesar do risco de a valorização do dólar tornar os produtos importados mais caros e pressionar a inflação.

Déficit público vai a R$ 132 bi

A combinação de aumento de gastos? arrecadação em baixa e inflação em alta elevou o dé­ficit público para RS 132,2 bi­lhões nos 12 meses encerra­dos em abril. É o segundo pior valor das estatísticas do Banco Central.

Esse déficit, chamado nomi­nal, é o que faltou para zerar a diferença entre a conta de ju­ros, que foi de R$ 218 bilhões no mesmo período, e o dinheiro economizado por União, Esta­dos e municípios para pagar a dívida pública - o chamado su­perávit primário, que ficou em R$85,8 bilhões.

Protesto contra a austeridade

Manifestantes bloquearam, ontem, o acesso ao Banco Central Europeu em Frankfurt e enfrentaram a polícia. Mais protestos contra a política de austeridade adotada na Europa estão previstos para hoje. A zona do euro já tem 20 milhões de desempregados.

Luta em várias frentes

Os índios que ocupam, o cantei­ro de obras da usina de Belo Monte desde a madrugada de segunda-feira aceitaram ir a Brasília e negociar com o gover­no na terça-feira, dia 4. Apesar da decisão, eles permanecem em estado de protesto.

"Vamos permanecer no local até o horário da viagem. Saímos daqui no dia 3 para reunião na terça-feira, dia 4”, disse o líder Valdenir Munduruku.

Valdenir observou que a sus­pensão da ocupação no dia 3 não significa a saída definitiva: “Ela vai depender do resultado da reunião no dia 4”. Os índios saíram do canteiro de obras, mas permanecem no escritório central.

EUA criticam Rússia por armar regime sírio

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, criticou duramente ontem a decisão russa de vender um sofisticado sistema de mísseis terra-ar para a Síria, dizendo que o envio das armas terá "impacto negativo e profundo sobre a segurança da regíão, especialmente de Israel. Citando fontes oficiais, jornais russos indicaram que os mísseis S-300 não devem ser entregues ate o fim deste ano.

Turista alemão é baleado na Rocinha

Um turista alemão foi baleado na tarde de ontem na Favela da Rocinha, na zona sul. Socorrido por moradores, passou por cirurgia no Hospital Municipal Pacificada em setembro, a Rocinha tem enfrentado episódios violentos. Em 1° de maio, um policial militar foi baleado na Rua Um. Na véspera, PMs já haviam sido atacados por traficantes.

Correria para melhorar a área externa

A liminar que suspendia o amistoso de amanhã entre Brasil e Inglaterra por falta de segurança aos torcedores foi revogada, mas, a dois dias do jogo, o entorno do Maracanã continua um grande canteiro cie obras. Todos os materiais perigosos estão lá: pedras, pedaços de madeira, ferro e entulho, A obra de urbanização do entorno está inacabada, mas mesmo assim o governador Sérgio Cabral (PMDB) prometeu "total segurança para a população dentro e fora do estádio".

O Globo

'Meu apoio a Dilma é total e absoluto', diz Cabral

Ao lado do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, do PT, o governador do Rio, Sérgio Cabral, do PMDB, minimizou ontem a crise envolvendo os dois partidos no estado. Segundo Cabral, o apoio à reeleição da presidente Dilma nas eleições em 2014 é "total e absoluto".

- Meu apoio à presidente Dilma é total e absoluto. Nosso governo está totalmente integrado. Não há semana em que eu não fale com os ministros da presidente Dilma e com a própria ministra (sic) Dilma. O resto é especulação - declarou Cabral, durante inauguração do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), no Centro do Rio.

'Lamentavelmente, antecipou-se muito a eleição presidencial'
Entrevista com o vice-presidente da República, Michel Temer
O senhor acredita que houve antecipação da campanha eleitoral?

Fala-se da convenção como se ela fosse daqui a 15 dias. Lamentavelmente, antecipou-se muito a eleição presidencial, o que causou a antecipação das eleições estaduais. Aí, as pessoas começam a pensar só nos acordos locais. O presidente Lula disse que ele só falou sobre isso porque havia muita gente dizendo que ele deveria voltar como candidato. Então, ele não quis deixar dúvida. Ele antecipou, mas foi para acabar com esse falatório. Causou mais falatório, em função da candidatura da presidente Dilma.

Dólar sobe e complica combate à inflação

Nem mesmo a primeira intervenção do Banco Central em dois meses no mercado de câmbio foi capaz de evitar que o dólar atingisse ontem o maior patamar desde 5 de maio de 2009, com alta de 1,37% a R$ 2,143. Na máxima do dia, a moeda chegou a R$ 2,152. O comportamento da moeda surpreendeu o mercado, que esperava uma maior atração de dólares depois que a autoridade monetária decidiu elevar a taxa básica de juros para 8% ao ano na última quarta-feira, evidenciando o foco no combate à inflação.

Segundo analistas, a alta do câmbio pode pressionar ainda mais os índices de preços. A inflação elevada é considerada uma das vilãs responsáveis pelo baixo crescimento da economia brasileira, que registrou alta de apenas 0,6% no primeiro trimestre, abaixo da expectativa do mercado. Com a disparada do dólar, a moeda americana encerrou o mês com alta de 7,10%, o maior avanço mensal desde setembro de 2011. No ano, sobe 4,89%.

Conta de luz fica mais barata por decreto

Diante do impasse no Senado, a redução nas contas de luz para os consumidores saiu por decreto. A iniciativa, anunciada em rede nacional pela presidente Dilma Rousseff em janeiro, estava prevista na Medida Provisória 605, que perderá sua validade na segunda-feira. A votação da MP em regime de urgência foi negada pelo presidente da Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), pois, segundo ele, após a atribulada aprovação da MP dos Portos, foi negociado com a oposição um prazo mínimo de sete dias de análise de MPs pelos senadores, antes da votação.

Enquanto isso, na Europa... Novo recorde do desemprego

O desemprego na zona do euro chegou a 12,2% em abril. Os números preocupam e aumentam a pressão sobre o Banco Central Europeu (BCE), que foi alvo de violentos protestos ontem, em Frankfurt. Milhares tomaram as ruas.

A tensão aumenta: Índios ampliam ocupação em MS

Há no Brasil pelo menos 55 terras reivindicadas por povos indígenas em que são reais os riscos de conflitos com produtores rurais, madeireiros, garimpeiros e outros grupos. Os números são de um levantamento feito pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a pedido do GLOBO. O Cimi considerou um grupo de 96 áreas em que o processo de demarcação está em etapas intermediárias. São as que costumam concentrar os problemas mais graves, como ocorreu em Mato Grosso do Sul.

Vice dos EUA quer reduzir prazo de concessão de visto a brasileiros

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse ontem que o governo americano deverá reduzir o prazo para a concessão de vistos a cidadãos do Brasil de até 12 semanas para dois ou três dias. Segundo ele, o aumento do intercâmbio de pessoas entre os dois países vai fortalecer ainda mais as relações bilaterais.

- Para isso, nós estamos dobrando o número de funcionários nos consulados - disse Biden, acrescentando que já conversou sobre o assunto com o embaixador dos EUA no Brasil, Thomas Shannon.

Tragédia em Santa Maria: Famílias levam pizza à CPI da Kiss

Com faixas, cartazes e narizes de palhaço, os parentes das vítimas do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, fizeram um protesto ontem na Câmara de Vereadores na primeira sessão da CPI que investiga a tragédia. Nos fundos do plenário foi instalado um cartaz com fotografias das 242 vítimas. Os familiares entregaram duas pizzas a vereadores que fazem parte da CPI, em protesto contra a atuação da comissão, que tenta identificar possíveis responsabilidades do poder público.

No cadastro do Enem: TV, geladeira e... doméstica

Quase dois meses após a aprovação da "PEC das Domésticas", que ampliou os direitos trabalhistas da categoria, um questionário aplicado a candidatos que vão prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2013 causou desconforto entre alunos, empregadas do ramo e o Ministério da Educação (MEC).

No ato da inscrição, o estudante precisou responder a um questionário socieconômico com itens como a renda mensal familiar e a escolaridade. No entanto, na questão número 7, o candidato deveria assinalar, entre os itens na lista, quais ele possui dentro de casa. Na relação, entre objetos como TV, geladeira, aspirador de pó, automóvel e computador, surge a opção "empregada mensalista". O questionário foi criticado pela categoria.

Barraco com Colômbia: Maduro denuncia complô

Saudado por Hugo Chávez como seu "novo melhor amigo" quando assumiu a Presidência da Colômbia em 2010, Juan Manuel Santos abriu uma crise diplomática ao receber em Bogotá o maior inimigo do atual governo venezuelano: Henrique Capriles, líder da oposição da Venezuela, segundo lugar nas eleições presidenciais de abril e, de acordo com o vencedor proclamado Nicolás Maduro, autor de planos para desestabilizar o país.

O encontro rendeu a Capriles mais um palco para as denúncias de fraude alegadas pela oposição nas eleições presidenciais de abril na Venezuela. Para Santos, porém, a reunião na quarta-feira trouxe dor de cabeça, e repercutiu em Caracas com denúncias de novas supostas conspirações - um racha nada conveniente para ambos os lados, parceiros em relações econômicas e nas negociações de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Correio Braziliense

Dólar a R$ 2,14 impõe cautela para viagens

Os investidores reagiram com nervosismo ao fraco desempenho da economia brasileira no primeiro trimestre e ao aumento de juros promovido pelo Banco Central, que elevou, na quarta-feira, a taxa básica (Selic) de 7,5% para 8% ao ano. Ontem, o dólar teve um salto de 1,36%, a quinta alta consecutiva, e fechou a R$ 2,142 para a venda, atingindo o maior valor desde maio de 2009. A Bolsa de Valores de São Paulo encerrou o dia com desvalorização de 2,07% depois de chegar a registrar queda de 3,09% ao longo do pregão.

Morte de índio no MS mobiliza governo e CNJ

O corpo do índio Oziel Gabriel, 35 anos, morto em confronto com agentes da Polícia Federal e da PM de Mato Grosso na quinta-feira, pode passar por necropsia em Brasília, de acordo com Eder Alcântara, um dos líderes terena. Mas o Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul informou que há a possibilidade de a autópsia ser refeita em Campo Grande, por um perito enviado pelo governo federal. Segundo Alcântara, é preciso “evitar influências políticas e do agronegócio” no exame. “Aqui em Sidrolândia, a análise do corpo sequer foi feita por um médico legista. Além disso, foi tudo muito rápido. Como um corpo chega ao hospital às 12h e é liberado às 15h?”, questiona Alcântara.

Transplantes: doação ainda é o maior tabu

Em 2013, o Distrito Federal se tornou referência em captação de órgãos e passou a ser a unidade da Federação que mais faz transplantes no país. São 28 procedimentos para cada grupo de um milhão de habitantes. Embora ocupe o topo do ranking, a capital do país poderia estar em uma situação ainda melhor caso não houvesse tanta recusa das famílias na hora de autorizar a retirada do órgão de um ente querido para doação.

De janeiro a abril de 2013, das 43 abordagens a parentes de potenciais doadores, 23 (53%) não permitiram que os médicos retirassem o coração, os rins, o pâncreas, as córneas e outras partes do corpo em condições de serem reaproveitadas. Em 2012, as respostas negativas somaram 44 (43%) de um universo de 101 entrevistas com familiares.

EUA-Brasil: promessas de mais comércio

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, encerrou sua primeira visita oficial ao Brasil com a promessa de estreitar laços, ampliar parcerias e multiplicar por cinco o fluxo de comércio entre a primeira e a sétima economia do mundo — no ano passado, as trocas somaram US$ 59,1 bilhões.

No último dia de uma viagem que, para os dois governos, sela o amadurecimento das relações bilaterais, Biden foi recebido no Planalto pela presidente Dilma Rousseff, a quem oficializou o convite para uma visita de Estado a Washington, em 23 de outubro. Será a única visita do tipo que Barack Obama recebertá neste ano, e a primeira de um governante brasileiro em duas décadas.

A tática dos sujos para fugir da degola

A tentativa do Congresso de alterar artigos da Lei da Ficha Limpa para beneficiar gestores com contas rejeitadas é uma estratégia para formalizar um entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que já tem livrado da guilhotina prefeitos que, mesmo reprovados pelos órgãos fiscalizadores, não foram submetidos à análise das câmaras municipais. Ao contrário do que determina a norma em vigor, o TSE entende que a inelegibilidade só se deve aplicar após a palavra final da Casa legislativa.

Dilma e PMDB discutem a relação

A presidente Dilma Rousseff receberá a cúpula do PMDB, na segunda-feira, para tentar conter os ruídos e as fissuras do Planalto com o partido. Organizados, os peemedebistas segmentaram a pauta: o presidente da Câmara, Henrique Alves (RN) levará a demanda dos deputados do PMDB; o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), vai expor as queixas dos senadores do partido; e o vice-presidente Michel Temer detalhará os problemas com a legenda.

TRFs perto de sair do papel

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse ontem que não pode deixar de fazer uma viagem oficial para evitar que a proposta de emenda à Constituição (PEC) que cria quatro tribunais federais (TRFs) seja promulgada. Segundo aliados do vice-presidente do Congresso, deputado André Vargas (PT-PR), o petista planeja promulgar a PEC durante visita de Renan a Portugal, entre 5 e 11 de junho, período em que estará à frente da Mesa. A aprovação do projeto foi duramente criticada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa.

Polícia Federal quer ser agência

A polêmica em torno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37, que retira o poder de investigação do Ministério Público, fez com que os delegados da Polícia Federal, principais interessados na medida, mudassem sua estratégia de ação. Como os tons corporativos dos debates vinham desgastando a categoria, e depois de uma pesquisa com a classe, eles decidiram criar um plano B, bem mais ambicioso e não menos polêmico: a restruturação da corporação como um todo. Entre as principais diretrizes, está a desvinculação da PF da estrutura do Ministério da Justiça, para que venha a ser uma agência, nos moldes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

A modesta produtividade de Feliciano

Prestes a completar três meses à frente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) ainda não conseguiu imprimir ritmo adequado de trabalho. Com várias reuniões canceladas devido a tumultos e protestos, inclusive de parlamentares ligados ao colegiado, projetos que estão na pauta não foram votados. O pastor evangélico se defende ao citar que a comissão aprovou 20 requerimentos e fez três “grandes” audiências públicas desde que ele assumiu o posto. A página on-line de notícias da comissão, porém, mostra apenas cancelamentos e transferência de datas de reunião, enquanto no mesmo período do ano passado a atuação do colegiado foi intensa.

As bodas de Andressa e Dianne

Os votos das professoras foram trocados sob a inesperada chuva da última quinta-feira, em uma escola de ensino infantil.

Folha de S. Paulo

Campos age para conter críticos no próprio partido

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, selou um acordo de cessar-fogo com o ex-ministro Ciro Gomes, o integrante do PSB que até agora expressou de forma mais contundente sua discordância com o projeto de Campos de disputar a eleição presidencial do próximo ano.

Em um longo jantar no Recife no domingo passado, os dois correligionários discutiram suas divergências e fizeram um pacto para só definir no ano que vem se o partido terá ou não um nome próprio na corrida presidencial.

10 das 12 novas prisões paulistas já estão superlotadas

Das 12 mais novas penitenciárias paulistas, dez já estão superlotadas. Entre elas, estão duas abertas há menos de quatro meses, em Cerqueira César, a 291 km de São Paulo.

As únicas penitenciárias novas --inauguradas desde 2010-- que ainda comportam detentos estão perto de atingir sua capacidade máxima. Ficam em Capela do Alto (a 136 km da capital) e foram abertas em março.

Os dados constam de um levantamento feito pela Folha no banco de dados da Secretaria Estadual da Administração Penitenciária.

Pós-BC, mercado eleva os juros futuros

Um final de semana estragado. Foi assim que o mercado retomou ontem os negócios após o Banco Central surpreender ao elevar a taxa Selic de 7,5% para 8,0%, na noite da última quarta-feira.

A previsão era de elevação menor no juro, para 7,75%, por causa do resultado fraco do PIB (alta de 0,6% em relação ao trimestre anterior), anunciado naquela manhã. A diferença de 0,25 ponto causou um prejuízo considerável para quem contava com um BC mais tolerante à inflação e preocupado com o desaquecimento econômico.

Mesmo com ação do Banco Central, dólar bate recorde

O Banco Central interveio ontem, mas não conseguiu conter a alta do dólar. A moeda americana subiu 1,3% e terminou o mês a R$ 2,137. Foi a maior cotação do dólar à vista (referência no mercado financeiro) desde os R$ 2,153 de maio de 2009. No mês, a alta foi de 6,8%.

Desde 27 de março, o BC não intervinha no dólar oferecendo moeda à vista ou contratos que pagam a variação cambial.

Restaurante no Itaim Bibi é alvo do 21º arrastão no ano

Três homens armados fizeram, na noite de anteontem, mais um arrastão em São Paulo. O alvo foi o restaurante Ruella no Itaim Bibi, que fica em área nobre da capital. É o 21º registro em bares e restaurantes neste ano na cidade.

Segundo a PM, os criminosos chegaram ao local, na rua João Cachoeira, por volta das 23h30. Eles levaram pertences dos clientes e fugiram a pé. A ação durou cerca de cinco minutos.

Ontem, um suspeito foi preso após ser reconhecido por uma das vítimas. A polícia não divulgou o seu nome.

Índios terenas voltam a invadir fazenda em MS

Um dia após serem retirados numa ação policial que deixou um índio morto, índios terena voltaram a invadir ontem a fazenda Buriti, em Sidrolândia (MS), a 72 km de Campo Grande.

O grupo acampava próximo à sede, na região do confronto de anteontem, que se deu durante cumprimento de ordem de reintegração de posse pelas polícias Federal e Militar. O índio Oziel Gabriel, 35, foi baleado no abdome e morreu no hospital.

Local virou 'morro do Alemão', diz fazendeiro

Dono da fazenda onde um índio foi morto anteontem em confronto com a polícia em Mato Grosso do Sul, o produtor rural Ricardo Bacha, 64, afirmou que o local se tornou um "morro do Alemão", referência à favela do Rio que era controlada por criminosos, e cobrou intervenção federal.

"A única solução é o governo vir com uma missão pacificadora, como teve no morro do Alemão. Porque aqui virou um morro do Alemão, um conflito com tanta proporção. O governo tem que pacificar a área e dar a terra para os índios --90% dos produtores se dispõem a vender, mas a preços reais", afirmou à Folha por telefone.

Vice dos EUA vê 'lacunas' na relação com Brasil

Após encontro com a presidente Dilma Rousseff e outras autoridades, o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, reconheceu ontem que "ainda há lacunas entre o que realizamos juntos e o que somos capazes de fazer juntos".

Biden elogiou as relações comerciais entre os países, da ordem de US$ 100 bilhões ao ano, mas afirmou que ainda há espaço a ser ocupado.

"Não há razão para que a maior economia do mundo e a sétima não possam aumentar por cinco [o volume de comércio]", disse.

Renan afirma que tensão entre governo e Congresso é 'natural'

Em meio à crise do PMDB com o governo, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse ontem que tensões são "naturais" e que a relação com o Planalto vai "muito bem".

Ele justificou a perda de validade da medida provisória que reduziu as tarifas de energia por "um compromisso com a Casa e com o país". Segundo o acordo, só seriam votadas MPs que chegassem ao Senado com ao menos sete dias para análise.

Lula me disse que não tem como eu não ser candidato

Uma prévia aberta "não apenas aos filiados, mas aos eleitores em geral" é a resposta do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), 71, ao suposto plano da cúpula do PT de sacrificá-lo em 2014, em troca de uma coligação mais ampla.

No ano que vem, quando o Senado renovará um terço das cadeiras, Suplicy pretende disputar seu quarto mandato consecutivo no Senado --se conseguir a única vaga da coligação petista.

No dia 6, o senador conseguiu 15 minutos com Lula, surpreendendo-o em seu escritório em São Paulo. A ideia de procurar o ex-presidente sem agendar partiu do filho Supla, ao pai, que tentava ser recebido havia meses.

Partido quer puxador de voto para a Câmara

As pressões de petistas para que o senador Eduardo Suplicy (SP) não concorra a um novo mandato e se lance a deputado têm dois motivos. O primeiro é abrir espaço para que o partido possa negociar a vaga com outras legendas, visando à formação de alianças para a disputa do governo de São Paulo.

Uma das siglas que poderiam herdar o posto é o PSD, do ex-prefeito Gilberto Kassab, que vem se aproximando do PT no plano federal. O segundo motivo é que o partido precisa de um puxador de votos para a Câmara em 2014. Os nomes mais votados em eleições passadas ou foram abatidos pelo julgamento do mensalão ou estão em cargos executivos.

Presidente do Senado não se opõe a manobra

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse ontem que não vai impedir a promulgação da emenda constitucional que cria quatro tribunais regionais federais. Como o senador estará em viagem oficial para Portugal, a partir de quarta-feira, Renan admitiu não ter poderes para barrar manobra articulada pelo deputado André Vargas (PT-PR), vice-presidente do Congresso.

"Eu não promulguei a proposta que cria os tribunais exatamente porque há uma redação que a Câmara aprovou diferente da redação que o Senado havia aprovado. Mas é evidente que eu não posso deixar de fazer uma viagem oficial, nem posso limitar o papel constitucional do primeiro vice-presidente. Se ele desejar promulgar, eu não tenho o que fazer", afirmou.

Mulher crê em boato e gasta Bolsa Família com dívidas

Uma agricultora da zona rural de Quixadá, no interior do Ceará, acreditou no boato de um bônus do Bolsa Família relativo ao Dia das Mães.

Ela sacou o benefício em meio aos tumultos da semana retrasada, gastou todo o dinheiro com dívidas e remédios e caiu no choro dias depois, quando descobriu que não havia um bônus, e sim um pagamento antecipado no calendário da Caixa.

Santos demite Muricy e já sonda Bielsa

O Santos encerrou ontem o ciclo de Muricy Ramalho, 57, que faturou quatro taças em dois anos e um mês, e agora mira o argentino Marcelo Bielsa e Mano Menezes para conduzir uma reformulação.

Hoje é Claudinei Oliveira, 43, campeão da Copa São Paulo de futebol júnior deste ano, quem estará no comando do time contra o Grêmio, na Vila Belmiro, pela terceira rodada do Brasileiro.

Muricy nem sequer comandou um último treino. Ficou em Ibiúna (a 69 km de São Paulo) com a família. Ele deve ir a Santos na próxima semana para assinar a rescisão.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!